Governo português desaconselha viagens para zonas atingidas por furacão Florence

O Governo português desaconselhou hoje viagens, durante pelo menos 15 dias, para os estados norte-americanos da Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia, que deverão ser atingidos pelo furacão Florence, considerado um dos mais destruidores.

"Por força da aproximação do furacão de categoria 4 Florence, desaconselham-se vivamente viagens para os estados da Virgínia, Carolina do Norte, Carolina do Sul e Geórgia", lê-se num alerta publicado hoje no Portal das Comunidades, na internet.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) avisa que "tendo em conta a forte probabilidade de que se venha a verificar a destruição ou danos significativos nas infraestruturas, desaconselha-se a visita a esta zona durante pelo menos mais 15 dias, o tempo mínimo necessário para a sua reabilitação".

O Florence, que já obrigou à retirada de mais de um milhão de pessoas, pode ser um dos furacões mais destruidores das últimas décadas na costa atlântica dos Estados Unidos, alertaram especialistas. O furacão deve chegar na quinta-feira à costa norte-americana.

Na nota, o Governo português recorda que foram já emitidos avisos de que não será possível fornecer socorro durante a passagem da tempestade a quem não obedeça às ordens de evacuação.

Espera-se que o furacão atinja o território norte-americano na quinta-feira, "permanecendo dois dias estacionário nessa zona, até se deslocar para o interior".

"Esta longa paragem da tempestade em frente às praias aumenta a sua capacidade de devastação, tendo em conta os ventos de 215 quilómetros/hora que está a atingir. Antecipa-se que a maré suba até 2,75 metros e que a precipitação possa alcançar cerca de 1,2 metros", refere o comunicado do Governo português.

O alerta aos viajantes nacionais sublinha que poderão ocorrer derrocadas e quedas de árvores, mesmo nas zonas do interior, e que "há riscos ambientais a considerar, tendo em conta que na região se encontram várias centrais nucleares, e depósitos de cinzas de carvão e de outros resíduos industriais, bem como numerosas explorações de suinicultura".

Entretanto, o furacão Florence baixou para a categoria 3, mas continua a ser "grande e extremamente perigoso", anunciou hoje o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos da América.

Na mais recente atualização, divulgada cerca das 14:00 em Washington, D.C. (19:00 em Lisboa), o furacão estava a cerca de 700 quilómetros a sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, movendo-se a 26 quilómetros por hora.

O Florence está agora na categoria 3 na escala de Saffir-Simpson, de cinco níveis, com ventos máximos de 205 quilómetros por hora.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.