Governo: Nelson de Souza novo ministro do Planeamento

O até agora secretário de Estado do Desenvolvimento e da Coesão, Nelson de Souza, vai assumir as funções de ministro do Planeamento, área que era tutelada por Pedro Marques e agora se autonomiza na orgânica do Governo.

Esta informação consta de uma nota hoje publicada no portal da Presidência da República na Internet.

No seu Ministério, Nelson de Souza vai ter como secretária de Estado do Desenvolvimento Regional Maria do Céu Albuquerque, que antes foi presidente da Câmara Municipal de Abrantes.

Nelson de Souza, de 64 anos, natural da Índia, é licenciado em finanças pelo Instituto Superior de Economia, sendo considerado um conhecedor do tecido empresarial português, tendo assumido responsabilidades nos programas nacionais e europeus de apoio às empresas e à economia.

O novo ministro do Planeamento foi gestor do Programa Compete/QREN e do Prime, administrador do IAPMEI (Agência para a Competitividade e Inovação, I.P) e gestor de programas no PEDIP (Programa Específico de Desenvolvimento da Indústria Portuguesa).

Em termos de carreira governativa, Nelson de Souza foi secretário de Estado das Pequenas e Médias Empresas, do Comércio e dos Serviços do XIV Governo Constitucional, liderado por António Guterres, e exerceu as funções de diretor-geral na Associação Industrial Portuguesa até final de 2013.

Antes de entrar no atual Governo, Nelson de Souza, foi diretor de finanças na Câmara Municipal de Lisboa, tendo também desempenhado funções de assessoria ao presidente da autarquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?