Governo garante novo posto para a GNR em Vila Nova de Santo André - autarca

O presidente da Câmara de Santiago do Cacém (Setúbal) disse hoje que o Governo vai avançar com a construção de um novo posto da GNR em Vila Nova de Santo André, num investimento de 400 mil euros.

"A secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna confirmou que vai haver um investimento para transformar o antigo edifício da Brigada Fiscal, no Bairro Azul, no novo posto da GNR", afirmou à agência Lusa o autarca de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha (CDU), depois de ter reunido recentemente com Isabel Oneto.

A intervenção, segundo um comunicado do município do litoral alentejano, prevê a remodelação das instalações que já estiveram afetas à Brigada Fiscal, em Vila Nova de Santo André, no concelho de Santiago do Cacém, estando previsto que a obra possa arrancar até ao final deste ano.

"O concurso público para o projeto vai ser lançado, existindo uma verba de 400 mil euros que está destinada para este efeito. De acordo com as previsões da secretária de Estado, se tudo correr bem, as obras podem arrancar até ao final do ano", acrescentou.

Segundo Álvaro Beijinha, as atuais instalações da GNR, também no Bairro Azul, em Vila Nova de Santo André, são "altamente precárias" e "há muito que não reúnem as condições necessárias para os guardas lá trabalharem, sendo esta uma necessidade que a câmara tinha colocado, há bastante tempo".

Congratulando-se com "a boa notícia", o autarca comunista lembrou que existem, no entanto, "outras situações ligadas aos postos da GNR" no interior do concelho que "necessitam de uma resposta por parte do Governo".

Na mesma reunião com a secretária de Estado Adjunta e da Administração Interna, Álvaro Beijinha disse que obteve também respostas positivas sobre a manutenção dos postos da GNR em Alvalade e Ermidas-Sado.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.