Governo defende que Banco de Portugal é abrangido pela megabase de dados do Estado

Lisboa, 15 mai 2019 (Lusa) - A secretária de Estado da Administração e do Emprego Público reforçou hoje que o Banco de Portugal está obrigado a prestar informações para a megabase de dados do Estado, sublinhando que "independência não é sinónimo de ingerência".

Fátima Fonseca falava na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, onde esteve a ser ouvida, a pedido do PSD, no âmbito da apreciação da proposta do Governo que reformula e amplia o Sistema de Informação da Organização de Estado (SIOE), a nova megabase de dados da Administração Pública.

Questionada pelos deputados sobre a integração do Banco de Portugal (BdP) no âmbito de aplicação do diploma, a secretária de Estado afirmou que é do entendimento do Governo que a obrigatoriedade do reporte de informação se aplica ao banco central.

"Não é propósito deste diploma ampliar o âmbito de aplicação do atual SIOE, o que se pretende è clarificar o âmbito de aplicação porque, na verdade, o que vem estabelecido no diploma de 2011 não tem tido a mesma leitura por parte de todas as entidades", começou por dizer a governante.

Segundo Fátima Fonseca, o objetivo da proposta é "garantir a máxima abrangência possível" com a nova base de dados tendo como limite o perímetro das entidades em contas nacionais previstas no regulamemto europeu.

"Do ponto de vista do Governo, tal como do ponto de vista da entidade que tem procedido à recolha e ao tratamento dos dados, um conjunto de entidades que não têm reportado dados na verdade sempre tiveram cobertas pela obrigação de reporte", acrescentou Fátima Fonseca, lembrando, contudo que caberá ao parlamento aprovar o diploma.

De acordo com Fátima Fonseca, as entidades reguladoras independentes já prestam informação no âmbito do atual SIOE, defendendo que "independência não é sinónimo de ingerência".

A posição da secretária de Estado colide com a do Banco de Portugal que, no parecer à proposta que reformula o SIOE, defende que o banco central "não integra o setor público em contas nacionais, pelo que se mostra difícil de entender a sua expressa - e inovadora - inclusão" no âmbito de aplicação do diploma.

O Banco de Portugal afirma ainda que o seu "perfil constitucional e legal" bem como o regime laboral que lhe é aplicável "não consentem a sua sujeição à atividade deste órgão da administração pública".

Além disso, diz o banco central, o essencial da informação a reportar coincide com a que já é prestada através da entrega do Relatório Único.

A proposta do Governo para reformular e ampliar o SIOE - sistema instituído pelo executivo anterior do PSD/CDS em 2011 - foi aprovada em fevereiro na generalidade e está agora a ser debatida na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.