Governo brasileiro prorroga por um ano operação de acolhimento de venezuelanos

A operação de acolhimento de venezuelanos levada a cabo pelo Governo brasileiro foi prorrogada por um ano, até março de 2020, pelo ministro da Defesa do Brasil, Fernando Azevedo e Silva, e pelo governador do estado de Roraima, Antonio Denarium.

O anúncio foi feito nesta quinta-feira à imprensa brasileira, após uma visita a Roraima, estado que faz fronteira com a Venezuela, e maior porta de entrada de venezuelanos no Brasil.

Além de verificarem como os refugiados se encontram, os governantes visitaram as instalações de acolhimento de venezuelanos em Boa Vista, capital de Roraima.

Durante o dia de hoje, Antonio Denarium e Azevedo e Silva, assim como os ministros da Saúde, Luiz Henrique Mandetta; da Educação, Ricardo Vélez; da Cidadania, Osmar Terra, e o responsável pela Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário, irão até a fronteira do Brasil com a Venezuela, no município de Pacaraima.

Com milhares de imigrantes acolhidos, a "Operação Acolhida", uma operação logística e humanitária para o estado de Roraima, atua, desde março do ano passado, no apoio logístico aos imigrantes provenientes da Venezuela.

"Em cooperação com agências nacionais e internacionais e organizações não governamentais (ONG), o esforço é para que a dignidade de cada pessoa, assim como o respeito pelo núcleo familiar, seja preservada", afirma o Ministério da Defesa brasileiro, na sua página na internet.

Dados do Alto-Comissariado das Nações Unidas para o Refugiados (ACNUR) mostram que de janeiro de 2014 a abril de 2018, 25.311 venezuelanos solicitaram uma autorização de residência no Brasil e 57.575 pediram asilo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.