Governo brasileiro diz que vai defender exportações de aço face a medidas da UE

Brasília, 16 jan (Lusa) -O Governo brasileiro assegurou hoje que vai continuar a defender os interesses dos exportadores de aço brasileiros, diante do anúncio da União Europeia (UE) de aplicar medidas de salvaguarda nas importações desse produto metalúrgico.

Segundo um comunicado divulgado hoje pelo Ministério das Relações Exteriores, a medida, que entrará em vigor no início de fevereiro, terá impacto nas exportações do Brasil, o principal produtor de aço da América Latina.

A nota do executivo brasileiro diz ainda que, embora o Governo brasileiro tenha dialogado com a UE para preservar as exportações das empresas do país, as conversações ainda estão a decorrer, para que o Brasil "continue a defender os interesses dos exportadores brasileiros".

O anúncio do Governo brasileiro surge depois da aprovação dos países da UE à proposta da Comissão Europeia (CE) de tornar definitivas as medidas provisórias para proteger o setor siderúrgico, numa resposta às taxas impostas pelos Estados Unidos da América sobre as importações desse produto.

Caso os produtos infrinjam os limites estabelecidos pela Comissão, será cobrada uma taxa de 25%.

Desta forma, os países da UE procuram proteger os produtores de aço europeus da entrada externa deste produto no mercado.

A medida, aprovada por maioria, terá agora de ser adotada pela Comissão Europeia e publicada no Jornal Oficial da União Europeia antes da sua entrada em vigor, antes do dia 04 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.