GNR já fez nove detenções em investigação a rede de tráfico de droga em Almada

Almada, Setúbal, 10 abr 2019 (Lusa) - A GNR deteve mais um suspeito de envolvimento numa rede de tráfico de droga em Almada, no âmbito de uma investigação que já tinha permitido a detenção de outras oito pessoas em março, foi hoje anunciado.

"O Núcleo de Investigação Criminal de Almada, apoiado pelo Posto Territorial da Trafaria, deteve um homem com 37 anos, através do cumprimento de um mandado de detenção por tráfico de estupefacientes", disse hoje à agência Lusa o comandante do Destacamento Territorial de Almada, capitão Luís Maciel.

Segundo Luís Maciel, o arguido, que já foi presente ao Tribunal de Almada, vai aguardar julgamento em prisão preventiva, tal como outros dois elementos do grupo de oito pessoas detidas - seis homens e duas mulheres - no âmbito da mesma investigação.

Com a detenção deste último suspeito, aumenta para nove o número de detidos no âmbito da denominada operação "Asilo 28", em que foram detidas as outras pessoas suspeitas da prática de diversos crimes, designadamente participação em associação criminosa, tráfico de droga e branqueamento de capitais.

Das pessoas detidas, três aguardam julgamento em prisão preventiva e as restantes ficaram com as medidas de coação de proibição de contactos com os outros arguidos no processo e proibição de se deslocarem ao Monte de Caparica, onde, alegadamente, procediam ao tráfico de estupefacientes.

Em comunicado divulgado em 27 de março, a GNR adiantou que a referida rede de tráfico de droga tinha uma "estrutura criminal bem organizada, hierarquizada e de elevada complexidade, sediada em Almada, com ligações a outros grupos de indivíduos fornecedores de estupefacientes da zona da Grande Lisboa".

O comunicado referia ainda que a organização criminosa estava sediada em Almada e que se dedicava exclusivamente ao tráfico de heroína e cocaína, usando métodos ardilosos, como a criação de empresas, que serviam para justificar e branquear as avultadas quantidades de dinheiro obtidas.

Segundo a GNR, o branqueamento de capitais "passava pela aquisição de bens materiais de elevado valor, como automóveis e motociclos, num estabelecimento de venda de automóveis na região do Porto, o qual fornecia ainda veículos de alta cilindrada para o transporte de produto estupefaciente para esta rede".

O proprietário do estabelecimento foi detido.

Na operação "Asilo 28" foram já cumpridos mais de três dezenas de mandados de busca, 21 dos quais em residências, nos distritos de Setúbal, Lisboa e Porto, nove em veículos, dois em estabelecimentos comerciais e um num escritório de advogados.

Os militares da GNR apreenderam ainda 952 doses de heroína, 335 doses de cocaína, oito doses de haxixe, seis veículos, 22.170 euros em numerário, 75 munições de diversos calibres, duas armas de fogo e duas réplicas de armas de fogo.

De acordo com o comandante do Destacamento Territorial de Almada, as diligências da GNR ainda não estão terminadas e não está excluída a possibilidade de se fazerem mais detenções no âmbito da mesma investigação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.