GNR identifica dois suspeitos de recetação de bens furtados em Portugal e Espanha

A GNR identificou dois homens por suspeitas do crime de recetação de bens que terão sido furtados em pelo menos 17 furtos em Portugal e Espanha e que foram apreendidos no Alentejo, foi hoje anunciado.

Os dois homens, de 25 e 29 anos, foram identificados, em Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja, na sequência de uma investigação realizada nos últimos quatro meses, explicou a GNR.

Num comunicado enviado à agência Lusa, o Comando Territorial de Beja da GNR referiu que os suspeitos, que têm antecedentes criminais por furtos e recetação, ficaram sujeitos à medida de coação de termo de identidade e residência (TIR).

Segundo a guarda, os homens são alegadamente "responsáveis por receberem e guardarem" para "posterior venda" bens furtados em pelo menos 12 furtos cometidos em Portugal e cinco em Espanha em empresas de transportes, "stands" de venda de automóveis, postos de abastecimento de combustíveis, armazéns agrícolas e lagares de azeite.

No âmbito da investigação, a GNR cumpriu oito mandados de busca, nomeadamente às residências dos suspeitos, a uma viatura e a três armazéns onde o material furtado era guardado na vila de Ervidel e na aldeia de Montes Velhos, concelho de Aljustrel, e na Aldeia do Rouquenho, concelho de Ferreira do Alentejo, no distrito de Beja.

Nas buscas, a GNR apreendeu 28 máquinas de apanha de azeitona, 24 máquinas varejadoras para apanha de azeitona, 21 portas, cinco radiadores, quatro jantes, dois motores e dezenas de outras peças de veículos automóveis de várias marcas, dois motociclos e três quadriciclos.

A força de segurança apreendeu também ferramentas de oficinas de automóveis, dois empilhadores, seis televisões, dois frigoríficos, uma máquina de lavar, dois computadores portáteis, dezenas de componentes eletrónicos, cinco rebarbadoras, uma motosserra, três telemóveis e dezenas de artigos de higiene e bebidas.

A operação, que incluiu a identificação dos suspeitos e as buscas, foi efetuada pelo Núcleo de Investigação Criminal do Comando Territorial de Beja com a colaboração dos núcleos de investigação criminal de Moura e de Almodôvar, do Destacamento de Intervenção de Beja e dos postos territoriais de Aljustrel e de Ferreira do Alentejo da GNR.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?