GNR apreende 12 toneladas de tabaco na A6 na fronteira do Caia

A Unidade de Ação Fiscal da GNR anunciou hoje ter apreendido mais de 12 toneladas de tabaco, sem a respetiva documentação comercial ou aduaneira, junto à fronteira do Caia, na Autoestrada 6, no concelho de Elvas (Portalegre).

"O tabaco de corte fino apreendido daria para produzir mais de 12 milhões de cigarros, correspondendo a um valor de fraude ao Estado, por não pagamento do Imposto Especial de Consumo e do IVA, estimado em 2,5 milhões de euros", revelou a GNR.

A operação foi desenvolvida pelo Destacamento de Ação Fiscal de Évora da Unidade de Ação Fiscal (UAF), em colaboração com o Destacamento de Trânsito de Évora, na terça-feira.

Durante a ação, que visou o controlo de mercadorias em circulação, os militares detetaram "um veículo pesado de mercadorias que transportava diversas caixas que continham tabaco de corte fino, sem se fazer acompanhar de qualquer tipo de documentação comercial ou aduaneira", segundo a GNR.

A operação culminou com a apreensão de mais 12.230 quilos de tabaco e a detenção do condutor da viatura, de 48 anos, suspeito da prática do crime de introdução fraudulenta no consumo, destacou.

Depois de presente a tribunal, o homem ficou sujeito a termo de identidade e residência, adiantou à agência Lusa fonte da UAF.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.