Glam to Glam quer faturar 50 mil euros em 2019 a vender artigos de moda em 2.ª mão

Redação, 12 ago (Lusa) --'Glam to Glam' é uma nova plataforma 100% portuguesa fundada este ano, dedicada à venda em segunda mão de produtos de moda e que prevê para 2019 ter um volume de negócio de 50 mil euros.

"Para 2019, com o lançamento de novos serviços, estimamos um volume de negócio de 50 mil euros, com oito mil 'users' (utilizadores) ativos", avançou à Lusa Catarina Nogueira, 32 anos, autora da ideia e do 'website' da 'Glam to Glam', e que tem mais duas sócias.

A responsável adianta que a previsão de volume de negócios para o ano de arranque - 2018 - é de "cinco mil euros e mil 'users' inscritos na plataforma".

A plataforma 'online' entrou atualmente na "fase de comunicação para atração de compradoras", daí o volume de negócios ainda não ser elevado.

Segundo Catarina Nogueira, os consumidores só usam, em média, "20% do que têm no roupeiro", e é também a pensar nesse dado que a nova plataforma de venda de acessórios de moda e vestuário em segunda mão pretende "estender o tempo de vida útil de uma peça", o que "impacta na questão ambiental", mas também nos "ganhos financeiros dos utilizadores".

Segundo aquela mentora, "estima-se que, ao comprar em segunda mão em vez de novo, um utilizador possa atingir uma poupança anual de dois mil euros por pessoa".

Uma das principais preocupações do projeto criado este ano é a sustentabilidade, visto que a indústria da moda é a "segunda mais poluente do mundo" com um "volume de desperdício na ordem de "1.200 milhões de toneladas de gases de efeito de estufa por ano, segundo o relatório da Ellen MacArthur Foundation", explica Catarina Nogueira.

"A reutilização dos bens de consumo é uma tendência mundialmente crescente dos novos mercados sustentáveis baseados na economia circular, onde a moda em segunda mão é uma forma original e económica de manter um guarda-roupa renovado durante todo o ano, seja com artigos de luxo ou com os artigos mais simples do dia-a-dia", explica Catarina Nogueira, engenheira informática de formação.

Artigos de marcas de luxo, como Carolina Herrera, Gucci, Michael Kors, Yves Saint Laurent, convivem na plataforma lado a lado com peças de marcas consideradas de baixo custo como Zara, Mango ou H&M, com o objetivo de agradar a todos os "gostos e bolsas".

"Nesta plataforma de acesso gratuito qualquer pessoa pode comprar e vender roupa com garantia de total confidencialidade, através da simples criação de uma conta no 'site' e a colocação das peças que já não usa à venda, as quais passam pela aprovação da equipa da 'Glam to Glam' antes de ficarem 'online'", descreve a engenheira informática.

Catarina Nogueira acrescenta que, quando é realizada uma compra, a "plataforma assegura todo o processo, desde o pagamento até à entrega dos produtos, evitando assim o contacto direto entre compradora e vendedora".

A empresa pertence também a Sara Couto, 33 anos, gestora, e que, além da 'Glam To Glam', gere outra empresa própria, e a Margarida Matos, engenheira biomédica, igualmente uma das fundadoras.

Nesta fase inicial, "existem mais vendedoras do que compradoras", porque o foco concentrou-se na "comunicação para atingir um volume interessante de peças à venda", acrescenta Catarina Nogueira.

As clientes atuais da plataforma residem maioritariamente em Portugal e as idades variam entre os 25 e os 44 anos.

Os artigos "mais pesquisados e vendidos são as peças de calçado e vestidos" de moda feminina e infantil, mas aquela empresa, que arrancou em janeiro transato com sede no Instituto Pedro Nunes, em Coimbra (incubadora de empresas de referência munida), também considera uma "hipótese" válida estender o foco "à moda masculina".

A 'Glam to Glam' é financiada a 100% por capital próprio, o conceito foi já validado com sucesso no concurso "Bolsa do Empreendedorismo", da Representação da Comissão Europeia em Portugal, onde foi um dos projetos finalistas, tendo sido também selecionado para o Programa de Aceleração "INEO Start".

Atualmente, o projeto está a votação no programa "GovTech", na categoria "Produção e Consumo Sustentáveis".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.