Gary Woodland resiste a Koepka e conquista US Open de golfe

Pebble Beach, Estados Unidos, 16 jun 2019 (Lusa) -- O golfista norte-americano Gary Woodland resistiu no domingo aos nervos e ao ataque do compatriota Brooks Koepka, que perseguia o 'tri', e conquistou o 119.º US Open, o primeiro 'major' da carreira.

Woodland, de 35 anos, assumiu o comando no segundo dia e conseguiu mantê-lo até ao final, resistindo ao inglês Justin Rose, que partiu para o último dia a uma pancada, e, especialmente, a Koepka.

Depois de marcar 68 pancadas (três abaixo do par) no primeiro dia, um recorde igualado de 65 (seis) em Pebble Beach no segundo e 69 (duas) no terceiro, Woodland repetiu as 69, com quatro 'birdies' (uma pancada abaixo do par) e dois 'bogeys' (uma acima).

Assim, o norte-americano fechou com 271 pancadas, 13 abaixo do par, depois de um espetacular 'birdie' a fechar, no buraco 18, que deixou Brooks Koepa, segundo colocado, a três.

No decorrer do último dia, Rose ainda conseguiu igualar o líder, logo no buraco inicial, e Koepka esteve a uma pancada, já nos últimos nove, mas Woodland resistiu, sendo decisivo o 'birdie' obtido no buraco 14, um par-5.

O novo campeão do US Open somou apenas a sexta vitória como profissional e a primeira num grande torneio, ele que, em 'majors', não tinha conseguido melhor do que um sexto lugar, no PGA Championship do ano passado.

Desta forma, Woodland 'roubou' a Brooks Koepka a possibilidade de fazer história, pois, vencendo, o também norte-americano, de 29 anos, tornava-se o primeiro a vencer o US Open por três vezes consecutivas desde o escocês Willie Anderson, de 1903 a 1905.

O número 1 mundial teve de contentar-se com o segundo lugar, a três pancadas do compatriota, depois de somar 68 pancadas (três abaixo do par) na última volta, com cinco 'birdies' -- quatro deles nos primeiros cinco buracos - e dois 'bogeys'.

Koepka, vencedor das duas últimas edições e de um total de quatro 'majors' (desde 2017), tinha marcado 69 pancadas (duas abaixo) no primeiro dia, sendo 16.º, 69 no segundo, para ascender a sexto, e 68 no terceiro (três abaixo), subindo a terceiro.

No último dia, trepou mais um lugar, com a 'ajuda' de Justin Rose, que fez a sua pior volta do torneio, ao marcar 74 pancadas (três acima do par), com apenas dois 'birdies' (buracos 1 e 6) e cinco 'bogeys', três dos quais entre os buracos 12 e 15.

O inglês, de 38 anos, caiu, assim, para o terceiro posto e teve de partilhá-lo com três jogadores, os norte-americanos Xander Schauffele e Chez Reavie e o espanhol Jon Rahm, todos com 277 pancadas, sete abaixo do par.

O australiano Adam Scott e o sul-africano Louis Oosthuizen ficaram no sétimo lugar, a sete pancadas de Woodland, e o sueco Henrik Stenson, o norte-americano Chesson Hadley e o norte-irlandês Rory McIlroy partilharam o nono, a oito.

Logo a seguir, no 12.º lugar juntamente com mais três jogadores, ficou o norueguês Viktor Hovland, que acabou com 280 pancadas, quatro abaixo do par, o melhor registo de sempre para um amador no US Open em 72 buracos (quatro voltas de 18).

Mais atrás, longe dos primeiros, ficou o norte-americano Tiger Woods, de 43 anos, que fechou em 21.º, com 282 pancadas, duas abaixo do par, o seu melhor registo no US Open desde 2009, depois de fechar com 69, ao marcar seis 'birdies' e quatro 'bogeys'.

Tiger terá, assim, de esperar por nova ocasião para somar o 16.º 'major' da carreira, ele que conta cinco títulos no Masters, o último já este ano, três no US Open, um deles em Pebble Beach, em 2000, três no The Open e quatro no PGA Championship.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.