Futebol: Taça / Feirense -- Sporting (declarações)

Declarações após o jogo Feirense-Sporting, dos quartos de final da Taça de Portugal em futebol, que os 'leões' venceram por 2-0, disputado hoje no Estádio Marcolino Castro:

Nuno Manta Santos (treinador do Feirense): "Estamos orgulhosos do nosso percurso feito até aos quartos de final. Sabíamos que íamos defrontar um adversário muito forte e com qualidade individual diferenciada. Apesar disso, e de o Sporting ter mais bola na nossa área na primeira parte, conseguimos controlar o jogo do adversário.

Ao intervalo, pedi à equipa para não descer tanto as linhas, mas o Sporting foi empurrando-nos para trás e desbloqueou o jogo com o primeiro golo. Depois, com o segundo golo, o Sporting ficou mais confortável no jogo.

O Feirense teve uma ótima reação à desvantagem de dois golos e dispôs de oportunidades para entrar na luta pela eliminatória. O Salin acabou por ser decisivo na parte final. Agora, queremos focar-nos no campeonato, que é o nosso grande objetivo."

Marcel Keizer (treinador do Sporting): "O nosso objetivo imediato era chegar às meias-finais, o que conseguimos com um bom desempenho. Gostei da performance da equipa e considero que foi o melhor jogo do Sporting até ao momento. É importante criarmos muitas oportunidades de golo, porque estaremos sempre mais perto de marcar.

Criámos inúmeras oportunidades de golo e podíamos ter marcado golos mais cedo. Não marcámos na fase inicial, mas também gostei da performance da primeira parte. No segundo tempo, marcámos dois bons golos e gostei um pouco menos dos últimos dez minutos.

Ao treinar um grande clube como o Sporting é normal que na próxima fase da competição encontremos adversários fortes como o Benfica, mas, para já, estamos focados no jogo do próximo sábado, a contar para o campeonato.

O Luiz Phellype esteve bem como os colegas e teve azar num bom remate que embateu no poste. Foi bom para ele entrar e entrosar-se ainda mais com a equipa."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.