Futebol: Jogo particular / Portugal -- Estados Unidos (ficha)

A seleção portuguesa de futebol empatou hoje 1-1 diante dos Estados Unidos, num encontro particular de preparação para o Mundial2018, na Rússia, realizado em Leiria.

Jogo realizado no Estádio Municipal de Leiria.

Portugal - Estados Unidos, 1-1.

Ao intervalo: 1-1.

Marcadores:

0-1, Weston McKennie, 21 minutos.

1-1, Antunes, 31

Equipas:

- Portugal: Beto, Nélson Semedo, Pepe (Luís Neto, 10), Ricardo Ferreira, Antunes, Danilo Pereira (Rúben Neves, 62), Manuel Fernandes, Bruno Fernandes (João Mário, 46), Gelson Martins (Gonçalo Paciência, 46), Bruma (Bernardo Silva, 62) e Gonçalo Guedes (Rony Lopes, 81).

(Suplentes: José Sá, Anthony Lopes, Luís Neto, Rúben Neves, André Silva, João Mário, Bernardo Silva, Edgar Ié, Rony Lopes, Gonçalo Paciência, Kévin Rodrigues, Ricardo Pereira e João Cancelo).

Selecionador: Fernando Santos.

- Estados Unidos: Ethan Horvath (Bill Hamid, 46), DeAndre Yedin, Matt Miazga, John Brooks (Cameron Carter-Vickers, 46), Weston McKennie (Alejandro Bedoya, 84), Danny Williams, Kellyn Acosta, Juan Agudelo (Jorge Villafaña, 59), Eric Lichaj (Lynden Gooch, 59), Tyler Adams e Sapong (Dom Dwyer, 77).

(Suplentes: Bill Hamid, Jesse Gonzalez, Tim Ream, Kalyn Rowe, Alejandro Bedoya, Dom Dwyer, Cameron Carter-Victers, Lynden Gooch e Jorge Villafaña).

Selecionador: Dave Sarachan.

Árbitro: Anthony Taylor (Inglaterra).

Ação disciplinar: nada a assinalar.

Assistência: 19.017 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.