Futebol: I Liga / Vitória de Guimarães -- Moreirense (Declarações)

Declarações após o jogo entre o Vitória de Guimarães e o Moreirense, da 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, que terminou com um triunfo vitoriano, por 1-0:

- Luís Castro (treinador do Vitória de Guimarães): "Era importante [vencer] por tudo, porque trabalhámos durante a semana para ganhar, jogando bem, se possível. É um dos objetivos. Ter a baliza a zeros é outro dos objetivos. Vimos, pelas declarações do Ivo [Vieira], na antevisão, que o Moreirense queria ganhar e alargar a diferença para seis pontos. Conseguimos o objetivo de ganhar à equipa que estava no quinto lugar. O nosso jogo teve períodos de qualidade, intercalados com períodos de menor qualidade.

Ao longo da primeira parte, fomos uma equipa dominadora, mas não com muitas situações de golo. Tivemos uma do Tozé a abrir o jogo, mas andámos junto à área do Moreirense com pouca eficácia.

Na segunda parte, abrimos com o golo e fomos para cima do Moreirense para fazer o 2-0. Fomos uma equipa estável defensivamente, que não permitiu uma situação de golo, a não ser no fim do jogo. Depois da expulsão do Tozé, tivemos de ser realistas e recuar. Foi uma exibição que me satisfez pela entrega da equipa ao jogo e pela humildade da equipa em perceber como jogar contra uma equipa em superioridade numérica.

O jogador [Tozé] sabe que foi imprudente. Recorreu a uma falta que foi cartão vermelho, como devia ter sido uma ou outra para o Moreirense e não foi. Depois de ter feito uma exibição com alguma intermitência, acabou o jogo da forma menos esperada.

O meio-campo está em obras (Tozé ausente e André André em dúvida para o jogo da Taça de Portugal, com o Benfica), mas isso não quer dizer que a obra não se construa. Vai ser um meio-campo diferente, mas com a segurança que gostamos de apresentar.

(Balanço da primeira volta) Somos uma equipa com oito ou nove unidades novas no Vitória. É uma boa primeira volta. Gostaríamos de ter mais pontos e de estar melhor classificados na tabela, mas, em função disto, o Vitória está a construir uma boa base para ser cada vez mais forte à medida que as épocas passem. Na qualidade de jogo, somos ainda inconsistentes. Na maioria das vezes, praticamos bom futebol, mas ainda falta ligação em alguns momentos do jogo".

- Ivo Vieira (treinador do Moreirense): "Não foi um jogo bem jogado por ambas as equipas. Pelos lugares que ocupam na tabela, deveriam ter proporcionado um espetáculo melhor. Não tivemos a qualidade dos últimos jogos. A equipa vinha de uma fase muito boa, com os jogadores a terem muito mérito. Em termos de balanço, a nossa média pontual é muito boa, mas hoje as coisas não saíram.

Foi um jogo de menor qualidade. Não conseguimos ter bola, tivemos muitos momentos aquém daquilo que costumamos fazer. A equipa não teve discernimento na tomada de decisão, na circulação de bola. Ganhou o Vitória, que fez um golo de penálti.

Até estou um pouco sem jeito para avaliar o que foi este jogo. O jogo tinha todos os ingredientes para um grande espetáculo. Eu estava na expetativa de que haveria três, quatro golos. As equipas chegaram pouco à baliza. Gosto que se jogue bem, de espetáculo. Eu prefiro ganhar 4-3 do que 1-0. Privilegio o espetáculo e as pessoas gostam disso. O Vitória pôs-se em vantagem e o jogo acabou assim.

Não [falhámos] pela falta de ousadia. Quando precisávamos de ousadia, o passe não saía, a receção não saía, a procura de profundidade não saía. Assumo a responsabilidade, porque eu é que monto a equipa. A equipa não fez um bom jogo. Provavelmente, não passei bem a mensagem. Não foi um jogador ou dois [que falharam], foi a equipa.

Não foi um bom jogo, em termos de espetáculo. Um jogo em que há dois remates à baliza ou três e um golo de bola parada foi pobre em termos de qualidade, embora tenha tido alguma riqueza na vontade e na entrega dos jogadores".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.