Futebol: I Liga / Boavista -- Marítimo (declarações)

Declarações dos treinadores do Boavista, Jorge Simão, e do Marítimo, Petit, no final do jogo da 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado no Porto e que terminou com triunfo dos madeirenses, por 1-0:

- Petit (Treinador Marítimo): "A equipa está a crescer e a acreditar nos processos e isso tem-se visto. Conseguimos a segunda vitória consecutiva, num desafio que, embora não tenha sido muito bem jogado, foi bem trabalhado da nossa parte.

Defrontámos um adversário difícil, mas penso que, por aquilo que fizeram os nossos jogadores, conquistámos uma vitória merecida.

Sabíamos que nos tínhamos de agarrar ao golo e ao resultado, pois estamos numa fase em que os pontos são importantes. O Boavista é forte, sabíamos que iam reagir, mas conseguimos aguentar.

[Perspetivas para segunda volta] Vínhamos de um ciclo negativo e só estou a trabalhar há seis semanas, demora o seu tempo a implementar as ideias. Mas a equipa tem vindo a evoluir e acredito que estas duas vitórias são o fruto do trabalho. Podemos na segunda volta mudar a situação, pois acredito no valor dos jogadores.

Esperamos que seja menos sofrida, mas sabemos que os jogos estão cada vez mais difíceis, os treinadores conhecem-se bem, mas vamos querer dar sequência a estes bons resultados".

- Jorge Simão (Treinador Boavista): "Tivemos 70% de posse de bola, fizemos 23 remates contra oito do adversário, marcámos um golo, mas perdemos o jogo por 1-0. É um sentimento de frustração.

O golo anularia, um pouco, essa frustração, porque fomos sempre superiores ao adversário.

Foi um desafio nem sempre bem jogado, frente a um Marítimo que se apresentou fechado, mas em que conseguimos criar algumas oportunidades. Não conseguimos finalizar, apesar de termos produzido mais do que suficiente para isso.

Depois de termos sofrido o golo perdemos lucidez e mostrámos alguma ansiedade, mas ainda conseguimos chegar a um golo, que não valeu.

Quis ver o lance para perceber, mas não entendo a decisão, e continuo a perguntar porque foi anulado. No final, nem cheguei a falar com o árbitro, já estava feito o resultado.

[Sobre ambições para segunda volta) Espero ganhar o próximo desafio não penso em mais do que isso. Vamos continuar a encarar jogo a jogo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.