Futebol: I Liga / Boavista -- Marítimo (declarações)

Declarações dos treinadores do Boavista, Jorge Simão, e do Marítimo, Petit, no final do jogo da 17.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado no Porto e que terminou com triunfo dos madeirenses, por 1-0:

- Petit (Treinador Marítimo): "A equipa está a crescer e a acreditar nos processos e isso tem-se visto. Conseguimos a segunda vitória consecutiva, num desafio que, embora não tenha sido muito bem jogado, foi bem trabalhado da nossa parte.

Defrontámos um adversário difícil, mas penso que, por aquilo que fizeram os nossos jogadores, conquistámos uma vitória merecida.

Sabíamos que nos tínhamos de agarrar ao golo e ao resultado, pois estamos numa fase em que os pontos são importantes. O Boavista é forte, sabíamos que iam reagir, mas conseguimos aguentar.

[Perspetivas para segunda volta] Vínhamos de um ciclo negativo e só estou a trabalhar há seis semanas, demora o seu tempo a implementar as ideias. Mas a equipa tem vindo a evoluir e acredito que estas duas vitórias são o fruto do trabalho. Podemos na segunda volta mudar a situação, pois acredito no valor dos jogadores.

Esperamos que seja menos sofrida, mas sabemos que os jogos estão cada vez mais difíceis, os treinadores conhecem-se bem, mas vamos querer dar sequência a estes bons resultados".

- Jorge Simão (Treinador Boavista): "Tivemos 70% de posse de bola, fizemos 23 remates contra oito do adversário, marcámos um golo, mas perdemos o jogo por 1-0. É um sentimento de frustração.

O golo anularia, um pouco, essa frustração, porque fomos sempre superiores ao adversário.

Foi um desafio nem sempre bem jogado, frente a um Marítimo que se apresentou fechado, mas em que conseguimos criar algumas oportunidades. Não conseguimos finalizar, apesar de termos produzido mais do que suficiente para isso.

Depois de termos sofrido o golo perdemos lucidez e mostrámos alguma ansiedade, mas ainda conseguimos chegar a um golo, que não valeu.

Quis ver o lance para perceber, mas não entendo a decisão, e continuo a perguntar porque foi anulado. No final, nem cheguei a falar com o árbitro, já estava feito o resultado.

[Sobre ambições para segunda volta) Espero ganhar o próximo desafio não penso em mais do que isso. Vamos continuar a encarar jogo a jogo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.