Furacão Florence perde força mas continua extremamente perigoso

O furacão Florence baixou para a categoria 3, mas continua a ser "grande e extremamente perigoso", anunciou hoje o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos da América.

Na mais recente atualização, o furacão estava a cerca de 700 quilómetros a sudeste de Wilmington, na Carolina do Norte, movendo-se a 26 quilómetros por hora.

O Florence está agora na categoria 3 na escala de Saffir-Simpson, de cinco níveis, com ventos máximos de 205 quilómetros por hora.

Segundo o centro, algumas flutuações na força do furacão são esperadas até quinta-feira, dia em que é expectável chegar a terra.

O Florence deve perder força quando parar de retirar energia das águas quentes do oceano, mas ainda é esperado que chegue a terra como um furacão extremamente perigoso.

O governador da Geórgia, nos Estados Unidos da América, declarou hoje o estado de emergência para todos os 159 condados, uma vez que os meteorologistas admitem a possibilidade de o furacão Florence alterar a sua rota para sudoeste.

A declaração do governador surgiu depois de o Serviço Meteorológico Nacional norte-americano admitir a possibilidade de o furacão alterar a sua rota e virar para sudoeste à medida que se aproxima da Carolina do Norte e da Carolina do Sul, também em estado de emergência assim como a Virginia.

Também hoje foi anunciado que o Mississipi está a enviar membros da Guarda Nacional e trabalhadores de busca e salvamento para as áreas que podem ser afetadas pelo furacão.

Numa mensagem de vídeo emitida pela Casa Branca, o Presidente norte-americano, Donald Trump, disse que o governo está "completamente preparado" para o furacão Florence, mas pediu às pessoas para terem todos os cuidados.

"Não brinquem com ele. É um dos grandes", afirmou.

O Florence, que já obrigou à retirada de mais de um milhão de pessoas, pode ser um dos furacões mais destruidores das últimas décadas na costa atlântica dos Estados Unidos, alertaram especialistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".