Fundo de Pensões de Macau tem coleção de arte avaliada em 1,4 milhões de euros

O Fundo de Pensões de Macau tem uma coleção de arte japonesa, adquirida no final dos anos 1980 pela administração portuguesa, avaliada em 13,68 milhões de patacas (1,4 milhões de euros).

De acordo com a Rádio Macau, as 84 gravuras remontam ao século XVIII e XIX e estão guardadas nos cofres do Banco Nacional Ultramarino na região administrativa especial chinesa.

A obra de arte do artista japonês Katsushika Hokusai "Grande Onda de Kanagawa", com um conjunto de 46 gravuras, é a peça de arte de maior relevo adquirida pelo Fundo de Pensões, na época da administração portuguesa.

Segundo o relatório de 2017 da Comissão de Acompanhamento para os Assuntos de Finanças Públicas da Assembleia Legislativa, citado pela Rádio Macau, o Fundo de Pensões de Macau detém ainda um imóvel na avenida 5 de Outubro, sede da Delegação Económica e Comercial de Macau em Lisboa, que foi avaliado em 9,6 milhões de patacas (um milhão de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.