Fundação Fé e Cooperação apresenta CD com cancões de embalar da Guiné-Bissau

A organização portuguesa Fundação Fé e Cooperação (FEC) apresentou hoje em Bissau um CD contendo 31 canções de embalar, cantadas em diversas línguas, recolhidas nas aldeias de todas as regiões da Guiné-Bissau.

O ato de lançamento do CD de música Infantil guineense, Nha Mininu (meu menino, em crioulo) decorreu no centro cultural português.

Em declarações à Lusa, Sofia Alves, coordenadora da FEC na Guiné-Bissau, explicou que a iniciativa, tem como objetivo promover a cultura guineense, começando pelos mais novos.

Entre os meses de maio e junho deste ano, a fundação portuguesa percorreu aldeias de todas as regiões da Guiné-Bissau onde registou canções cantadas por crianças dos três aos 15 anos e em alguns casos com a colaboração dos familiares.

As canções foram trabalhadas em estúdio em Portugal com a colaboração de três músicos guineenses.

As músicas vão agora ser disponibilizadas aos jardins-de-infância e escolas do primeiro ciclo para que as crianças possam debater o que se diz e se canta desde o berço nas comunidades, disse ainda Sofia Alves.

Foram recolhidas 500 canções, cantadas por crianças e seus familiares, mas apenas 31 foram registadas no CD, sendo que as restantes estarão disponíveis em formato digital a partir do dia 15, num sítio na internet a ser também lançado pela FEC.

O projeto "Cultura i nô balur" (Cultura é a nossa riqueza) é cofinanciado pela União Europeia, Camões - Instituto da Língua e da Cooperação e Misereor (organização para cooperação e desenvolvimento de bispos católicos da Alemanha).

É orçado em 1,2 milhões de euros e durante três anos prevê produzir o CD de música hoje lançado e outros produtos, nomeadamente material didático produzido por artesãos.

A apresentação do CD enquadra-se no âmbito das comemorações da quinzena das crianças, na qual vão ser realizadas ainda várias atividades em Bissau.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.