Funcionário do Ministério das Finanças de Cabo Verde detido por agressão sexual

Um funcionário do Ministério das Finanças de Cabo Verde foi detido por indícios da prática de três crimes de agressão sexual sobre uma menor, com quem tem relação de parentesco, informou hoje o Ministério Público.

Em comunicado, a Procuradoria-Geral da República (PGR) cabo-verdiana informou que o homem, de 42 anos, tinha sido detido para primeiro interrogatório judicial e foi-lhe aplicada as medidas de coação de termo de identidade e residência, interdição de saída do país e proibição de contactar a vítima.

"Inconformado", o Ministério Público referiu que interpôs recurso do despacho que aplicou as medidas referidas.

"Contudo, passado um mês e havendo informações de que o arguido teria violado a medida de proibição de contactar a ofendida, o Ministério Público realizou novas diligências de prova, ordenou nova detenção do arguido, para efeito de alteração das medidas de coação anteriormente aplicadas para a de prisão preventiva", informou a PGR.

A Procuradoria-Geral da República adiantou que o processo continua em investigação e encontra-se em segredo de justiça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.