Fumeiro é oportunidade de emprego em Chaves

Licenciada e desempregada, Vera Pinto encontrou na cozinha tradicional uma oportunidade de trabalho e de ficar na terra natal, em Chaves, onde vende fumeiro e tem uma bolsa de clientes todo o ano.

"Licenciei-me em psicologia, mas devido à falta de emprego vi uma oportunidade no fumeiro. A minha mãe já fazia fumeiro para casa, já era tradição na nossa família. Aproveitei a ideia e lancei um desafio a mim mesma e criei a cozinha", afirmou hoje a empreendedora de 35 anos.

Vera Pinto contou que queria seguir psicologia mas que, em Chaves, não conseguiu uma oportunidade de emprego e não quis sair de perto da família e ir para os grandes centros urbanos.

Criou a cozinha regional "Delícias Transmontanas", na localidade de Curalha, e disse que as "coisas têm corrido bem".

É já um trabalho para todo o ano, embora o ponto alto seja durante o inverno.

Vende para Chaves, para clientes privados e restaurantes, e envia também para o resto do país, através dos CTT, e para a Suíça e França, por transporte rodoviário.

Vera Pinto conta com a ajuda da mãe e, quando o trabalho aumenta, tem mais duas senhoras a apoiá-la.

"Cada vez mais as pessoas gostam de coisas de qualidade e é nisso que apostamos. É tudo feito artesanalmente, desde os cortes das carnes, o tempero, o enchimento", frisou.

A "Delícias Transmontanas" é uma das 19 cozinhas tradicionais licenciadas no concelho e participa na feira "Sabores de Chaves", que se realiza entre 01 e 03 de fevereiro e conta com a presença de 51 expositores de venda de produtos alimentares, enchidos e artesanato.

"É grande montra dos produtos de Chaves, do cabaz e dos saberes de Chaves", salientou o presidente da Câmara de Chaves, Nuno Vaz.

O autarca salientou que este é um concelho com "dinâmica agrícola, ligada aos produtos locais", que o município quer incluir "numa proposta turística integrada".

"Queremos dizer que este estigma que o rural tem não faz sentido nos dias de hoje e que pode ser novo, pode ser chique e moderno. Queremos valorizar os produtos, olhar de forma diferente e mostrar que é possível fazer coisas inovadores e chiques com o tradicional", salientou.

No certame estarão à venda, para além do fumeiro (alheira, linguiça, salpicão, chouriços variados), o presunto, o pastel e o folar de Chaves, o pão centeio, os vinhos, o mel e compotas.

Além da mostra e venda de produtos, a autarquia associa ao evento um cartaz de animação, que contempla concertos com os grupos Evil Mary e Sangre Ibérico.

Durante os três dias de evento, os restaurantes terão na sua ementa pratos típicos, com destaque para o naco de vitela.

É, segundo Nuno Vaz, uma "tripla combinação", feira, gastronomia e animação, que visa atrair os visitantes ao concelho.

O evento "Sabores de Chaves" é organizado pelo Município de Chaves e a empresa intermunicipal Empreendimentos Hidroelétricos do Alto Tâmega e Barroso (EHATB).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.