França continua a ganhar no Mundial de andebol, Croácia tem 'meias' em risco

A França, campeã em título, não teve problemas para se impôr hoje à Islândia, no Mundial de andebol, enquanto que a Croácia, ao perder inesperadamente com o Brasil, tem a presença nas meias-finais em sério risco.

Depois de um percurso totalmente vitorioso na primeira fase de grupos, a Croácia foi surpreendida pelo Brasil, em Colónia, por 29-26, ficando numa posição muito complicada, na ronda principal, já que os dois jogos que lhe faltam são contra a Alemanha e contra a França, seleção que está a um empate das meias-finais.

Na ronda principal, disputada em dois grupos de seis, participam os três primeiros de cada grupo da primeira fase, que transitam com os resultados registados frente às duas equipas do seu agrupamento também apuradas, não voltando a enfrentá-las, tendo apenas que jogar contra as outras três.

O resultado dos croatas foi especialmente frustrante, já que em caso de vitória passavam para a frente do grupo - assim, continuam em terceiro e com a pressão de ainda ter de jogar contra a campeã mundial e contra a Alemanha, coorganizadora do torneio.

Para o mesmo grupo, a França teve uma vitória inesperadamente fácil sobre a Islândia, por 31-22, com 15-11 ao intervalo. Uma entrada desastrada da Islândia, a perder por 6-0 aos 10 minutos, ajuda a explicar o desaire.

O guarda-redes Gérard, com 14 defesas e dois golos de baliza a baliza, em quatro tentados, foi o homem do jogo. Nem tudo lhe correu bem, já que teve de ser substituído após sofrer uma bolada na cara.

Este Mundial tem organização conjunta da Alemanha e da Dinamarca, país que alberga o outro grupo desta fase principal, em Herning, palco dos outros dois jogos do dia.

Tunísia e Egito, os dois sobreviventes africanos, perderem os seus compromissos de hoje e deixaram de ter hipóteses de chegar aos últimos quatro do torneio.

Primeiro, foi a Hungria a ganhar 26-22 à Tunísia, depois a Noruega a bater por 32-28 o Egito, com as formações europeias ainda a pensar no apuramento, para o qual, no entanto, têm vantagem Dinamarca e Suécia, as seleções que hoje folgaram.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.