França, Alemanha, Dinamarca e Suécia apontam às meias-finais do Mundial de andebol

A França, campeã em título, as anfitriãs Alemanha e Dinamarca e a Suécia iniciaram hoje a ronda principal do Mundial de andebol com vitórias e colocaram-se em boa posição para discutir o acesso às meias-finais.

Em Colónia, num duelo entre campeão do mundo e campeão europeu, a França impôs-se a Espanha, por 33-30, para assumir o comando do Grupo I, com cinco pontos, juntamente com a Alemanha, que bateu a Islândia por 24-19.

Com seis golos de Fabregas e outros tantos de Mahe, os franceses mantiveram-se na rota da revalidação do título e deixaram o conjunto espanhol em situação muito delicada, com apenas dois pontos e praticamente sem hipóteses de chegaram às meias-finais.

A Croácia, terceira com quatro pontos, inicia esta fase no domingo, frente ao Brasil, sabendo que uma vitória a coloca na frente da classificação.

No Grupo II, sediado em Herning, na Dinamarca, a seleção local e a Suécia partilham o comando, com seis pontos.

Perante o seu público, os dinamarqueses venceram a Hungria, por 25-22, com sete golos de Mikkel Hansen, e têm o apuramento não mão em caso de triunfo sobre o Egito, que se estreia nesta fase no domingo perante a Noruega, a outra candidata à presença entre os quatro melhores.

A Suécia, até agora 'protegida' pelo calendário, derrotou a Tunísia por 35-23, com sete golso de Ekberg e outros tantos de Andreas Nilsson e 15 defesas de Mikael Appelgren, mas serão os próximos encontros, com Dinamarca e Noruega, a definir a hierarquia final.

Na ronda principal, disputada em dois grupos de seis, participam os três primeiros de cada grupo da primeira fase, que transitam com os resultados registados frente às duas equipas do seu agrupamento também apuradas, não voltando a enfrentá-las.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.