França, Alemanha, Dinamarca e Suécia apontam às meias-finais do Mundial de andebol

A França, campeã em título, as anfitriãs Alemanha e Dinamarca e a Suécia iniciaram hoje a ronda principal do Mundial de andebol com vitórias e colocaram-se em boa posição para discutir o acesso às meias-finais.

Em Colónia, num duelo entre campeão do mundo e campeão europeu, a França impôs-se a Espanha, por 33-30, para assumir o comando do Grupo I, com cinco pontos, juntamente com a Alemanha, que bateu a Islândia por 24-19.

Com seis golos de Fabregas e outros tantos de Mahe, os franceses mantiveram-se na rota da revalidação do título e deixaram o conjunto espanhol em situação muito delicada, com apenas dois pontos e praticamente sem hipóteses de chegaram às meias-finais.

A Croácia, terceira com quatro pontos, inicia esta fase no domingo, frente ao Brasil, sabendo que uma vitória a coloca na frente da classificação.

No Grupo II, sediado em Herning, na Dinamarca, a seleção local e a Suécia partilham o comando, com seis pontos.

Perante o seu público, os dinamarqueses venceram a Hungria, por 25-22, com sete golos de Mikkel Hansen, e têm o apuramento não mão em caso de triunfo sobre o Egito, que se estreia nesta fase no domingo perante a Noruega, a outra candidata à presença entre os quatro melhores.

A Suécia, até agora 'protegida' pelo calendário, derrotou a Tunísia por 35-23, com sete golso de Ekberg e outros tantos de Andreas Nilsson e 15 defesas de Mikael Appelgren, mas serão os próximos encontros, com Dinamarca e Noruega, a definir a hierarquia final.

Na ronda principal, disputada em dois grupos de seis, participam os três primeiros de cada grupo da primeira fase, que transitam com os resultados registados frente às duas equipas do seu agrupamento também apuradas, não voltando a enfrentá-las.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.