Fotografias de Edgar Martins integram exposição de obras de arte feitas por presidiários

Uma série de fotografias do português Edgar Martins integra uma exposição de trabalhos feitos por presidiários patente ao público a partir de hoje no centro de artes Southbank Centre, em Londres.

"I'm Still Here" é a 11.ª exposição produzida pela Fundação Koestler, que promove programas artísticos nas prisões e apoia mais de 3.500 pessoas no sistema criminal para aprenderem novas competências e exprimirem-se de forma criativa.

As obras de arte em exposição, entre as quais pinturas, esculturas ou textos, foram produzidas por criminosos, reclusos em hospitais prisão e presidiários que participaram nos Prémios Koestler 2018.

Este ano, as peças foram selecionadas por cinco famílias de presos, escolhendo aquelas que consideraram mais relevantes e que ilustram as próprias experiências, através de artes plásticas, escrita ou música.

Ao contrário de edições anteriores, Edgar Martins foi convidado não para programar a exposição, mas para fazer parte da mostra, produzindo fotografias inéditas relacionadas com o ambiente das penitenciárias, como um telemóvel ou maços de cigarros.

"Foi solicitado a cada família que escolhesse um objeto representativo da sua experiência de encarceramento e foi com base nestes objetos que produzi as minhas imagens", contou o artista à agência Lusa.

As obras, apresentadas em conjunto com os trabalhos dos reclusos, são também um produto de um projeto que Edgar Martins tem estado a desenvolver nos últimos três anos na prisão de Birmingham e no bairro local de Wilson Green.

"Muitas das obras que apresentei não existem isoladamente deste contexto, pois têm em conta também as várias conversas, visitas e correspondência que eu próprio tenho mantido com prisioneiros em Birmingham", adiantou.

Martins sente-se realizado com o envolvimento com a Koestler Trust porque o seu trabalho pode assim ser contemplado por pessoas que nem sempre frequentam galerias ou museus de arte contemporânea.

"Como muito do trabalho tenta repensar a imagética associada à prisão ou encarceramento, foi importante apresentá-lo precisamente num contexto criado para apoiar prisioneiros ou ex-prisioneiros", vincou.

O projeto que Edgar Martins está a fazer em Birmingham, a desafio da organização GRAIN Projects, chama-se "What Photography has in Common with an Empty Vase: A Sociological Study of Absence and the Impossible Document".

As fotografias vão ser publicadas em livro em 2019 e expostas no Museu Nacional de Arte Contemporânea de Lisboa, no Museu de Arte de Macau em 2020 e ainda na Galeria Filomena Soares, em Lisboa, que passou a representar o artista.

A exposição "I'm Still Here", no Southbank Centre em Londres, mantém-se até 04 de novembro.

Edgar Martins nasceu em Évora, cresceu em Macau e vive atualmente em Bedford, no Reino Unido, e o seu trabalho tem vindo a ser exposto e premiado internacionalmente.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.