FIM confirma vitória de Dovizioso no Qatar e Miguel Oliveira fora dos pontos

A Federação Internacional de Motociclismo (FIM) confirmou hoje a vitória do italiano Andrea Dovizioso (Ducati) no Grande Prémio do Qatar de MotoGP, rejeitando, assim, o protesto apresentado por Suzuki, Honda, KTM e Aprilia.

O Tribunal de Apelo da FIM considerou "legal" o apêndice utilizado junto à roda traseira da Ducati de Dovizioso na prova de abertura do mundial de velocidade, e que foi contestado pela Honda, o do britânico Jack Miller (contestado pela Suzuki) e o do italiano Danilo Petrucci (contestado por KTM e Aprilia).

Caso tivesse sido dada razão ao protesto das quatro equipas, o português Miguel Oliveira, que terminou a corrida na 17.ª posição, poderia ter subido três lugares, até ao 14.º posto, e somado os dois primeiros pontos do Mundial de MotoGP.

Em comunicado, a FIM declarou que "os resultados provisórios ficam confirmados e declarados oficiais".

No mesmo documento, a que a Agência Lusa teve acesso, considera-se, ainda, que "o pedido para que o referido apêndice seja considerado ilegal é rejeitado".

As equipas contestatárias têm agora cinco dias para recorrer da decisão para o Tribunal Arbitral de Desporto, sediado em Lausana, na Suíça.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.