Filmes "Custódia partilhada" e "Os irmãos Sisters" premiados com os Césares

Os filmes "Custódia partilhada", de Xavier Legrand, e "Os irmãos Sisters", de Jacques Audiard, foram os mais distinguidos nos Césares, os prémios atribuídos pela Academia Francesa de Cinema, na sexta-feira em Paris.

Nesta 44.ª edição dos prémios, havia um filme português nomeado: "Entre sombras", de Alice Eça Guimarães e Mónica Santos, estava indicado para melhor curta de animação, tendo perdido para "Vilaine fille", de Ayce Kartal.

"Custódia partilhada", primeira obra de Xavier Legrand, um drama sobre divórcio e violência conjugal, venceu o César de melhor filme, de argumento original, de montagem e de interpretação feminina.

Ao receber o prémio, a atriz Léa Drucker dedicou-o "a todas as Myriam [nome da personagem que interpreta, vítima de violência] que não estão numa ficção, mas na vida real".

"A violência começa pelas palavras que usamos no dia-a-dia. Pensamos que são banais, mas não nos damos conta de que são o começo de uma ameaça, são o reflexo de uma forma de pensar, de uma ideologia que todos devemos combater", disse.

"Os irmãos Sisters", a primeira produção norte-americana de Jacques Audiard, com Joaquin Phoenix e John C. Reilly, recebeu quatro Césares, entre os quais de melhor realização e direção de fotografia.

Alex Lutz venceu o prémio de melhor ator com "Guy", que o próprio realizou.

"Shoplifters: Uma família de pequenos ladrões", de Hirokazu Kore-eda, foi eleito o melhor filme estrangeiro.

O ator e produtor norte-americano Robert Redford, que anunciou a despedida da representação, recebeu um prémio de carreira.

O grande derrotado desta 44.ª edição dos Césares foi a comédia "Ou nadas ou afundas", de Gilles Lellouche, que só recebeu um dos dez prémios para os quais estava nomeado: o de melhor ator secundário para Philippe Katerine.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?