Filme brasileiro "Como nossos pais" abre FESTin a 27 de fevereiro em Lisboa

O filme "Como nossos pais", da realizadora brasileira Laís Bodansky, abrirá, a 27 de fevereiro, em Lisboa, o FESTin - Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, cuja nona edição foi hoje anunciada.

Marcado de 27 de fevereiro a 06 de março, no cinema São Jorge, o FESTIN dá primazia à produção cinematográfica feita no espaço da lusofonia, com mais de trinta filmes em competição, mas este ano, pela primeira vez, irá exibir filmes de países que tiveram o idioma ancestral do português, o Latim, como Espanha, Cuba, França, Itália e Roménia.

Entre as longas-metragens em competição, há vários filmes brasileiros, entre os quais "Não devore meu coração", primeiro filme de Felipe Bragança, "Como nossos pais", que esteve no festival de Berlim e que Laís Dobansky apresentará em Lisboa, e "Praça Paris", de Lúcia Murat, com a atriz Joana de Verona.

"Uma vida sublime", de Luís Diogo, "Aparição", de Fernando Vendrell, e a coprodução luso-brasileira "Vazante", de Daniela Thomas, também serão mostradas em Lisboa, em competição.

No documentário foram selecionados, entre outros, os filmes portugueses "A casa", de Rui Simões, "Humberto Delgado - Relâmpago no céu azul", de Jaime Serôdio e José Jorge Letria, e "Serviçais das memórias à identidade", produção são-tomense de Nilton Medeiros.

Entre as 16 curtas-metragens em competição estão "África na Europa", de Atcho Express (Guiné-Bissau), "O Bêbado", de Nelson Custódio (Cabo Verde), "A gis", de Thiago Carvalhaes (Brasil), "A língua", de Adriana Martins da Silva (Portugal), e "100 Dias", de Nuno Barreto (Angola).

Destaque ainda para "Kizomba sem Fronteira", documentário de Batista João e que é uma coprodução entre Angola, Portugal, Espanha, Suíça e Holanda.

Este ano o FESTin será parceiro do Guiões -- Festival de Roteiros de Língua Portuguesa que, de 02 a 04 de março, promove um encontro entre guionistas da indústria cinematográfica de Língua Portuguesa.

Em parceria com o LusophoneFilmFest, o FESTin terá alguns dos filmes programados em exibição em países como Quénia, Tanzânia, Tailândia, Austrália, Camboja e ainda em Macau, na China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...