Filme brasileiro "Como nossos pais" abre FESTin a 27 de fevereiro em Lisboa

O filme "Como nossos pais", da realizadora brasileira Laís Bodansky, abrirá, a 27 de fevereiro, em Lisboa, o FESTin - Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, cuja nona edição foi hoje anunciada.

Marcado de 27 de fevereiro a 06 de março, no cinema São Jorge, o FESTIN dá primazia à produção cinematográfica feita no espaço da lusofonia, com mais de trinta filmes em competição, mas este ano, pela primeira vez, irá exibir filmes de países que tiveram o idioma ancestral do português, o Latim, como Espanha, Cuba, França, Itália e Roménia.

Entre as longas-metragens em competição, há vários filmes brasileiros, entre os quais "Não devore meu coração", primeiro filme de Felipe Bragança, "Como nossos pais", que esteve no festival de Berlim e que Laís Dobansky apresentará em Lisboa, e "Praça Paris", de Lúcia Murat, com a atriz Joana de Verona.

"Uma vida sublime", de Luís Diogo, "Aparição", de Fernando Vendrell, e a coprodução luso-brasileira "Vazante", de Daniela Thomas, também serão mostradas em Lisboa, em competição.

No documentário foram selecionados, entre outros, os filmes portugueses "A casa", de Rui Simões, "Humberto Delgado - Relâmpago no céu azul", de Jaime Serôdio e José Jorge Letria, e "Serviçais das memórias à identidade", produção são-tomense de Nilton Medeiros.

Entre as 16 curtas-metragens em competição estão "África na Europa", de Atcho Express (Guiné-Bissau), "O Bêbado", de Nelson Custódio (Cabo Verde), "A gis", de Thiago Carvalhaes (Brasil), "A língua", de Adriana Martins da Silva (Portugal), e "100 Dias", de Nuno Barreto (Angola).

Destaque ainda para "Kizomba sem Fronteira", documentário de Batista João e que é uma coprodução entre Angola, Portugal, Espanha, Suíça e Holanda.

Este ano o FESTin será parceiro do Guiões -- Festival de Roteiros de Língua Portuguesa que, de 02 a 04 de março, promove um encontro entre guionistas da indústria cinematográfica de Língua Portuguesa.

Em parceria com o LusophoneFilmFest, o FESTin terá alguns dos filmes programados em exibição em países como Quénia, Tanzânia, Tailândia, Austrália, Camboja e ainda em Macau, na China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.