Filme brasileiro "Como nossos pais" abre FESTin a 27 de fevereiro em Lisboa

O filme "Como nossos pais", da realizadora brasileira Laís Bodansky, abrirá, a 27 de fevereiro, em Lisboa, o FESTin - Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, cuja nona edição foi hoje anunciada.

Marcado de 27 de fevereiro a 06 de março, no cinema São Jorge, o FESTIN dá primazia à produção cinematográfica feita no espaço da lusofonia, com mais de trinta filmes em competição, mas este ano, pela primeira vez, irá exibir filmes de países que tiveram o idioma ancestral do português, o Latim, como Espanha, Cuba, França, Itália e Roménia.

Entre as longas-metragens em competição, há vários filmes brasileiros, entre os quais "Não devore meu coração", primeiro filme de Felipe Bragança, "Como nossos pais", que esteve no festival de Berlim e que Laís Dobansky apresentará em Lisboa, e "Praça Paris", de Lúcia Murat, com a atriz Joana de Verona.

"Uma vida sublime", de Luís Diogo, "Aparição", de Fernando Vendrell, e a coprodução luso-brasileira "Vazante", de Daniela Thomas, também serão mostradas em Lisboa, em competição.

No documentário foram selecionados, entre outros, os filmes portugueses "A casa", de Rui Simões, "Humberto Delgado - Relâmpago no céu azul", de Jaime Serôdio e José Jorge Letria, e "Serviçais das memórias à identidade", produção são-tomense de Nilton Medeiros.

Entre as 16 curtas-metragens em competição estão "África na Europa", de Atcho Express (Guiné-Bissau), "O Bêbado", de Nelson Custódio (Cabo Verde), "A gis", de Thiago Carvalhaes (Brasil), "A língua", de Adriana Martins da Silva (Portugal), e "100 Dias", de Nuno Barreto (Angola).

Destaque ainda para "Kizomba sem Fronteira", documentário de Batista João e que é uma coprodução entre Angola, Portugal, Espanha, Suíça e Holanda.

Este ano o FESTin será parceiro do Guiões -- Festival de Roteiros de Língua Portuguesa que, de 02 a 04 de março, promove um encontro entre guionistas da indústria cinematográfica de Língua Portuguesa.

Em parceria com o LusophoneFilmFest, o FESTin terá alguns dos filmes programados em exibição em países como Quénia, Tanzânia, Tailândia, Austrália, Camboja e ainda em Macau, na China.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.