Filme brasileiro "Como nossos pais" abre FESTin a 27 de fevereiro em Lisboa

O filme "Como nossos pais", da realizadora brasileira Laís Bodansky, abrirá, a 27 de fevereiro, em Lisboa, o FESTin - Festival de Cinema Itinerante da Língua Portuguesa, cuja nona edição foi hoje anunciada.

Marcado de 27 de fevereiro a 06 de março, no cinema São Jorge, o FESTIN dá primazia à produção cinematográfica feita no espaço da lusofonia, com mais de trinta filmes em competição, mas este ano, pela primeira vez, irá exibir filmes de países que tiveram o idioma ancestral do português, o Latim, como Espanha, Cuba, França, Itália e Roménia.

Entre as longas-metragens em competição, há vários filmes brasileiros, entre os quais "Não devore meu coração", primeiro filme de Felipe Bragança, "Como nossos pais", que esteve no festival de Berlim e que Laís Dobansky apresentará em Lisboa, e "Praça Paris", de Lúcia Murat, com a atriz Joana de Verona.

"Uma vida sublime", de Luís Diogo, "Aparição", de Fernando Vendrell, e a coprodução luso-brasileira "Vazante", de Daniela Thomas, também serão mostradas em Lisboa, em competição.

No documentário foram selecionados, entre outros, os filmes portugueses "A casa", de Rui Simões, "Humberto Delgado - Relâmpago no céu azul", de Jaime Serôdio e José Jorge Letria, e "Serviçais das memórias à identidade", produção são-tomense de Nilton Medeiros.

Entre as 16 curtas-metragens em competição estão "África na Europa", de Atcho Express (Guiné-Bissau), "O Bêbado", de Nelson Custódio (Cabo Verde), "A gis", de Thiago Carvalhaes (Brasil), "A língua", de Adriana Martins da Silva (Portugal), e "100 Dias", de Nuno Barreto (Angola).

Destaque ainda para "Kizomba sem Fronteira", documentário de Batista João e que é uma coprodução entre Angola, Portugal, Espanha, Suíça e Holanda.

Este ano o FESTin será parceiro do Guiões -- Festival de Roteiros de Língua Portuguesa que, de 02 a 04 de março, promove um encontro entre guionistas da indústria cinematográfica de Língua Portuguesa.

Em parceria com o LusophoneFilmFest, o FESTin terá alguns dos filmes programados em exibição em países como Quénia, Tanzânia, Tailândia, Austrália, Camboja e ainda em Macau, na China.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.