Festival The New Art Fest junta arte e novas tecnologias a partir de hoje

O Festival Internacional The New Art Fest, que vai reunir mais de 40 criadores das artes e novas tecnologias para promover a reflexão sobre as transformações tecnológicas das cidades, abre hoje, em Lisboa.

Até 30 de novembro, a segunda edição do festival decorrerá no Museu Nacional de História Natural e da Ciência, sob o tema "Lisboa Cidade Aberta", de acordo com a organização, da responsabilidade da Ocupart - Arte em espaços improváveis.

Criado para funcionar como plataforma de criatividade artística e reflexão teórica associadas à tecnologia, à ciência e à sociedade, o festival reunirá especialistas em 'locative media', inteligência artificial, robótica e 'post-internet art'.

Entre os artistas que participam nesta segunda edição estão André Sier, Tiago Rorke, Maria Lopes, Nashin Mahtani, Leonel Moura, Dasha Battelle, Ken Rinaldo, Margarida Sardinha, Rita Burmester, Mariana Castro e Left Hand Rotation, bem como os coletivos Oficinas do Convento, Make in Little Lisbon, StressFM e Shhpuma.

Com direção artística de António Cerveira Pinto, o Festival The New Art Fest tem como objetivo apresentar as novas tendências na área dos novos media surgidas com o desenvolvimento e massificação das tecnologias de informação, representação e computação.

Além das obras expostas, esta edição irá "dar atenção aos coletivos e plataformas colaborativas de arte e tecnologia, e ainda a fenómenos novos com impactos relevantes na vida da capital: o novo turismo, alimentado pelas redes sociais e pelos novos meios tecnológicos, e o grande influxo de massa cinzenta criativa na cidade", indica ainda a produção.

A exposição estará patente no Picadeiro do antigo Colégio dos Nobres, Museu Nacional de História Natural e da Ciência, na rua da Escola Politécnica, em Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.