Festival Somos Douro vai unir 19 municípios de 01 a 17 de junho

O festival Somos Douro realiza-se de 01 a 17 de junho, vai percorrer os 19 municípios durienses e a programação inclui um fórum jovem, conversas, oficinas, espetáculos e roteiros pelo património e literatura.

O evento, que foi apresentado hoje, em Vila Real, é promovido pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N) e comissariado pela jornalista Anabela Mota Ribeiro.

"Vamos conversar, celebrar e discutir o Douro. O Douro é uma região única, que é Património Mundial (...) e é também uma região do Interior do país, com algumas dificuldades inerentes", afirmou o presidente da CCDR-N, Fernando Freire de Sousa.

O que se pretende com o festival é, acrescentou, colocar o Douro no centro de uma "festa, celebração, chamada de atenção" e "trazer mais gente à região".

O objetivo passa por discutir o território, perceber o que fez as pessoas sair do território e o que é que as faria regressar.

Um dos destaques do programa é o fórum, que se realiza a 02 de junho, em Peso da Régua, que pretende ouvir jovens dos 19 municípios que foram o Douro, de diferentes escalões etários.

"O que nós queremos perceber é o que eles pensam sobre esta região, quais são os problemas e as potencialidades e como é que os podemos ajudar. É sobretudo esta auscultação que se pretende com o fórum", afirmou Anabela Mota Ribeiro.

A responsável acrescentou que se pretende que o fórum jovem seja "um momento de aprendizagem" e de "encontro".

Anabela Mota Ribeiro sublinhou que o festival é gratuito e quer atrair pessoas de várias proveniências.

De 01 a 17 de junho, um autocarro vai percorrer todos os municípios durienses.

A canção de Camané "Sei de um rio" dá o mote ao programa e o arranque ao festival. O músico atua em Lamego e vai interpretar duas das suas canções com os alunos do conservatório regional de música de Vila Real.

A rubrica "à conversa" leva ao Douro Pedro Mexia, poeta e assessor para a cultura do Presidente da República, ainda a neta de Agustina Leonor Baldaque, o poeta Bernardo Pinto de Almeida, a professora Serafina Martins, a investigadora Maria Manuel Mota e o vice-reitor da Universidade de Lisboa, António Feijó.

O escritor norte-americano Richard Zimler vai falar sobre o judaísmo nas entranhas do Douro e José Luís Peixoto faz uma análise a José Saramago.

As escritoras portuguesa Ana Margarida de Carvalho e brasileira Tatiana Saem Levy vão realizar oficinas de escrita e residências artísticas, enquanto o fotógrafo António Sá vai conduzir uma oficina sobre fotografia de paisagem e o ilustrador António Jorge se vai debruçar sobre o desenho.

O historiador Alberto Correia vai realizar um roteiro para celebrar Aquilino Ribeiro, percorrendo o local onde o escritor nasceu, em Sernancelhe, e o historiador Joel Cleto vai falar sobre os caminhos da história em Tarouca e em Penedono.

Haverá ainda roteiros pelo Parque Arqueológico do Côa, o Crasto de Palheiros e a Porca de Murça.

O festival inclui visitas a obras que ganharam o prémio arquitetura do Douro, como o Museu da Vila Velha, o armazém de envelhecimento de vinho da Quinta do Portal ou o Espaço Miguel Torga.

O evento termina com um espetáculo de António Jorge Gonçalves e Filipe Raposo, que juntam desenho e piano no Museu do Côa, e um espetáculo de bandas filarmónicas do Douro.

O festival conta com a parceria da Comunidade Intermunicipal do Douro, a Liga dos Amigos do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

O Somos Douro partiu de um desafio lançado por Miguel Cadilhe e o seu balanço será feito a 14 de dezembro, dia em que se celebra o aniversário da classificação do Douro Património Mundial da UNESCO.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.