Festival Literário de Castelo Branco aposta este ano na literatura infantojuvenil

O Fronteira - Festival Literário de Castelo Branco, após seis edições, apresenta este ano uma nova roupagem, assumindo-se como o primeiro Festival de Literatura Infantil e Juvenil (FELIJ) do país, foi hoje anunciado.

"Depois de seis edições, o Fronteira [Festival Literário] transforma-se em FELIJ, a Festa da Literatura Infantil e Juvenil de Castelo Branco", explica o município em comunicado.

O Fronteira, que este ano decorre nos dias 01 a 05 de abril, apresenta uma nova roupagem, assumindo-se como o primeiro festival de literatura infantil e juvenil do país, mobilizando autores como Inês Fonseca Santos, Isabel Alçada e Sérgio Godinho.

"Depois de vários anos de trabalho com as escolas, promovendo sessões com alguns dos maiores escritores e ilustradores portugueses, o Fronteira - Festa da Literatura Infantil e Juvenil (FELIJ) segue a evolução natural, que passa pela autonomização da programação infantil e juvenil, permitindo não só um maior alcance da intervenção, mas sobretudo uma dinâmica de promoção da leitura mais ambiciosa", lê-se na nota.

A abrir o Fronteira - FELIJ, no dia 01 de abril, às 21:30, na Casa do Arco do Bispo, é celebrado o Dia do Poeta, com uma conversa entre António Salvado, patrono do Prémio Internacional de Poesia António Salvado - Cidade de Castelo Branco, e o comissário do Festival, José Dias Pires.

De 02 a 05 de abril, cobrindo os vários ciclos de ensino, passarão pelas escolas de Castelo Branco nomes como Inês Barata Raposo, Inês Fonseca Santos, Isabel Alçada, João Valente, José Dias Pires, Maria Francisca Macedo ou Olinda Beja.

"As sessões com autores e alunos contam com atividades dirigidas apenas aos pequenos e jovens leitores, mas também com ações que chamam às escolas pais e encarregados de educação, numa programação que pretende recentrar o Festival nas escolas, chamando a elas todos os protagonistas do ensino e da educação", refere o município.

O Fronteira - FELIJ continua também fora do espaço escolar, pelo que vai encerrar esta edição com a conversa "O que é uma fronteira?", no Centro de Cultura Contemporânea de Castelo Branco (CCCCB), no dia 05 de abril, às 21:30.

O músico português Sérgio Godinho irá falar sobre as várias fronteiras do amor, da vida, da música e da literatura, numa conversa que percorrerá a carreira do músico e escritor, com destaque para "Estocolmo", o segundo romance do autor, recentemente publicado.

Sérgio Godinho também escreveu para crianças livros como "O Primeiro Gomo da Tangerina", "O Pequeno Livro dos Medos" e "A Caixa".

À agência Lusa, o presidente da Câmara de Castelo Branco, Luís Correia, explicou que, este ano, a aposta está mais virada para a literatura infantojuvenil.

"Todos os anos fazemos uma aposta. Este ano, o festival será mais centrado na literatura infantojuvenil, enquadrando-se na nossa política ligada à educação e à cultura", concluiu.

O Fronteira - Festa da Literatura Infantil e Juvenil de Castelo Branco é uma iniciativa da Câmara de Castelo Branco, com produção executiva da Booktailors.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.