Festival Jazz ao Largo de 12 a 16 de setembro em Barcelos

A cantora Maria João é um dos nomes do cartaz da terceira edição do festival Jazz ao Largo, que se vai realizar de 12 a 16 de setembro, em Barcelos, anunciou hoje o município.

Pelo palco vão ainda passar Jade, Jake McMurchie, Julian Sartorius e Lokomotiv, de Carlos Barretto.

O festival vai decorrer entre o largo Dr. Martins Lima e a frente ribeirinha, junto à Casa da Azenha, com entrada livre.

Mantém a fórmula da última edição, com os concertos no exterior do Teatro Gil Vicente (largo Dr. Martins Lima) e as sessões de free jazz na frente ribeirinha da Azenha.

O festival abre no dia 12, com o espetáculo inédito NIB, um projeto de músicos de Barcelos, formado por Ricardino Lomba (eletrónicas), José Moutinho (guitarra), Helena Silva (violino) e Filipe Coelho (esculturas sónicas), que criará música improvisada em tempo real sobre o filme "Sherlock Jr.", de Buster Keaton.

A programação prossegue com os Lokomotiv (dia 13), Jade (dia 14) e Maria João/Ogre Electric Trio (dia 15).

A Frente Ribeirinha da Azenha volta a ser palco de sessões de free jazz, durante a tarde, com início às 17:00, por onde irão passar Jake McMurchie (dia 15) e Julian Sartorius (dia 16), que encerra o evento.

O Jazz ao Largo oferece ainda um workshop de improvisação, liderado por Jake McMurchie, que conta no seu curriculum com nomes como Portishead, Massive Attack e a National Youth Jazz Orchestra, dos quais foi músico de sessão.

Organizado pelo Município de Barcelos, o festival Jazz ao Largo é "uma ideia" da Associação Burgo Divertido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.