Festival Jazz ao Largo de 12 a 16 de setembro em Barcelos

A cantora Maria João é um dos nomes do cartaz da terceira edição do festival Jazz ao Largo, que se vai realizar de 12 a 16 de setembro, em Barcelos, anunciou hoje o município.

Pelo palco vão ainda passar Jade, Jake McMurchie, Julian Sartorius e Lokomotiv, de Carlos Barretto.

O festival vai decorrer entre o largo Dr. Martins Lima e a frente ribeirinha, junto à Casa da Azenha, com entrada livre.

Mantém a fórmula da última edição, com os concertos no exterior do Teatro Gil Vicente (largo Dr. Martins Lima) e as sessões de free jazz na frente ribeirinha da Azenha.

O festival abre no dia 12, com o espetáculo inédito NIB, um projeto de músicos de Barcelos, formado por Ricardino Lomba (eletrónicas), José Moutinho (guitarra), Helena Silva (violino) e Filipe Coelho (esculturas sónicas), que criará música improvisada em tempo real sobre o filme "Sherlock Jr.", de Buster Keaton.

A programação prossegue com os Lokomotiv (dia 13), Jade (dia 14) e Maria João/Ogre Electric Trio (dia 15).

A Frente Ribeirinha da Azenha volta a ser palco de sessões de free jazz, durante a tarde, com início às 17:00, por onde irão passar Jake McMurchie (dia 15) e Julian Sartorius (dia 16), que encerra o evento.

O Jazz ao Largo oferece ainda um workshop de improvisação, liderado por Jake McMurchie, que conta no seu curriculum com nomes como Portishead, Massive Attack e a National Youth Jazz Orchestra, dos quais foi músico de sessão.

Organizado pelo Município de Barcelos, o festival Jazz ao Largo é "uma ideia" da Associação Burgo Divertido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.