Festival em Évora "rende" tributo ao jazz que "apaixona multidões"

Concertos, palestras, 'workshops' e uma exposição de fotografia preenchem o programa da 2.ª edição do Évora Jazz Fest, um festival dedicado a este género musical e que decorre, entre sexta-feira e domingo, nesta cidade alentejana.

O evento cultural é promovido pela Câmara de Évora, com produção da Euphonia, e tem lugar pelo 2.º ano consecutivo, depois "do sucesso alcançado na edição de 2018", destacou hoje a organização.

Segundo o município, o festival constitui um tributo ao jazz, "género musical que apaixona multidões", e o centenário Teatro Garcia de Resende vai ser "palco" de quase todas as atividades artísticas programadas.

"Além da qualidade dos grupos" que vão atuar, o festival "demarca-se dos demais eventos similares do panorama nacional por fazer do jazz um elemento de ligação entre diversos estilos artísticos", ou seja, "por fazer do jazz um eixo central para o desenvolvimento de várias artes", assinalou a câmara.

O cartaz do festival arranca às 21:00 de sexta-feira, com a inauguração da exposição "Jazz, uma história a preto e branco", de Anabela Carreira, que vai poder ser visitada pelo público no 'foyer' do Teatro Garcia de Resende.

Os "convidados" musicais da noite são os grupos Victor Zamora Trio, composto por Victor Zamora (piano), Leo Espinosa (baixo) e José Salgueiro (bateria), e Havana Way, com Raúl Reyes, Victor Zamora, Leo Espinosa e Osvaldo Pegudo e os bailarinos Maximo Zequeira e Francesca Negro.

O programa de sábado começa logo de manhã, com um 'workshop' de Combos/Orquestra ministrado por Claus Nymark, no Auditório da Universidade de Évora (UÉ), seguindo-se, de tarde, no teatro, a atuação dos combos de alunos da escola Ofício das Artes (OFA), de Montemor-o-Novo, e do Hot Club, de Lisboa, e uma palestra sobre a história da bateria, por Eduardo Lopes.

A "banda sonora" da noite reserva várias atuações, a primeira delas do projeto VEIA, que junta Elisa Rodrigues, "considerada cantora revelação jazz" com o seu disco "Heart Mouth Dialogues", e Isabel Rato, um "dos nomes femininos mais relevantes da nova geração de compositores jazz", com o seu álbum "Para além da curva da estrada".

Os outros concertos são os do Ricardo Toscano Quarteto, com João Pedro Coelho, Romeu Tristão e João Pereira, e da formação Seven Dixie, formada por Patrícia Camelo, João Carlos Araújo, Rodrigo Lino, Nuno Lopes, João Rasteiro, Sérgio Galante, André Domingos e Mário Lopes.

Um novo 'workshop' de Combos/Orquestra por Claus Nymark abre a última jornada do festival, na UÉ, tendo lugar, durante a tarde, no Garcia de Resende, mais apresentações de combos, desta vez da Escola de Jazz do Barreiro e da Jb Jazz e novamente da OFA.

O programa fica completo com um concerto da Orquestra de Jazz da Universidade de Évora (OJUÉ), de tarde, e espetáculos, à noite, do trio espanhol Sumrrá (Manuel Guiterrez, Xacobe Martínez e L.A.R. Legido) e de Beck & Lopes Grupo + Jam Session (com Felippe Figueiredo, Rafael Foncubierta, Ivan Beck e Mário Lopes).

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?