Festival Dias da Dança vai contar com 35 espetáculos e 65 apresentações

A terceira edição do festival Dias da Dança (DDD), a decorrer de 26 de abril a 13 de maio, conta com 35 espetáculos, num total de 65 apresentações, em espaços do Porto, Matosinhos e Vila Nova de Gaia, foi hoje anunciado.

Com direção artística de Tiago Guedes, o festival soma 15 estreias absolutas e 13 nacionais, entre as quais "A meio da noite", de Olga Roriz, "From afar it was an Island" ("De longe era uma ilha"), de João Fiadeiro, "Jerada", da bailarina e coreógrafa marroquina Bouchra Ouizguen, "Minor Matter", da norte-americana Ligia Lewis, e "(b)reaching stillness", de suíça Lea Moro, que abre o festival.

O orçamento, este ano, é de cerca de 583 mil euros, repartido pelos três municípios, pelas instituições e espaços que acolhem o festival, e representa um valor superior em 225 mil euro, face a 2017.

Os espetáculos vão realizar-se em vários espaços interiores e exteriores dos três concelhos da Frente Atlântica.

A conferência de imprensa de apresentação do programa, hoje, teve lugar no mais pequeno de todos, no edifício da companhia mala voadora, na baixa portuense.

"Esta conferencia de imprensa foi decidida ser feita aqui por uma razão. Sublinhar que o festival tem várias escalas. Tem a micro, sítios mais pequenos, 'underground', que caraterizam a cultura das cidades. Até às grandes instituições [...], desde logo os teatros municipais, o Coliseu, o Teatro Nacional de São João. Achamos que seria interessante fazer a apresentação no sítio mais pequeno", explicou Tiago Guedes aos jornalistas.

Para o também diretor do Teatro Municipal do Porto, parceiro deste festival, "o desafio artístico tem-se desenvolvido com grande entusiasmo e com grande cumplicidade artística entre os diretores artísticos de todas as instituições", projetando-se como um "coordenador", visto que este "é um projeto muito horizontal".

O DDD, este ano, incorpora 14 coreografias internacionais, 15 estreias absolutas, 13 estrais nacionais, assim como coproduções, 'workshops', festas e ainda uma reunião plenária do maior congresso de Artes Performativas (IETM), a realizar no primeiro fim de semana do festival.

O DDD "assume-se como uma montra para novas estreias. Os artistas pedem-nos e preferem estrear os seus espetáculos no festival, do que nas temporadas dos teatros, porque há um grau de atratividade maior nos programadores que se juntam a nós nessa altura", disse Tiago Guedes, destacando algumas estreias.

Em termos nacionais, sublinhou as novas criações da Companhia Olga Roriz, intitulada "A Meio da Noite", da coreógrafa Luísa Saraiva, "Enchente", assim como de Cristina Planas Leitão, que vai apresentar "Um [unimal]", sobrando ainda espaço para destacar a estreia da nova peça de João Fiadeiro, criador que descreveu como "um dos faróis da dança contemporânea".

O responsável destacou a diversidade 'nas performances' internacionais, tendo frisado a peça "To da Bone", do coletivo francês (La) Horde, e as suas "danças pós-internet", assim como o 'bailaor' de flamenco Farruquito, "um dos maiores bailarinos de flamenco".

"A abertura do festival faz-se suavemente, na quinta-feira [26 de abril], com Lea Moro, jovem coreógrafa suiça que apresenta um espetáculo belíssimo, minimal, sobre o barroco. No sábado [28 abril], um espetáculo de outra escala, com Bouchra Ouizguen, coreógrafa marroquina, com uma peça que coreografou para a Companhia Nacional de Dança Contemporânea da Noruega, 'Carte Blanche'", referiu Tiago Guedes.

O festival é dividido em quatro secções: "DDD IN", que são os espetáculos e performances; "DDD Out Corpo + Cidade", espetáculos em espaços públicos; "DDD Extra", um conjunto de 'workshops', 'masterclasses', encontros, conversas e festas; e o "DDD Pro", 'workshops' destinados a profissionais, que terão a duração de duas semanas.

Na conferência de imprensa, marcaram também presença os presidentes da Câmara do Porto, Rui Moreira, da Câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, e de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues.

A programação do festival pode ser consultada em www.festivalddd.com.

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.