Festival de Arte Urbana de Lisboa Muro com terceira edição em maio no Lumiar

O Muro -- Festival de Arte Urbana de Lisboa regressa este ano, para a terceira edição, que irá realizar-se em maio no Lumiar, disse à Lusa fonte da Galeria de Arte Urbana (GAU) da Câmara Municipal de Lisboa (CML).

De acordo com a mesma fonte, a próxima edição do Muro decorre entre 23 e 26 de maio "no território do Lumiar", depois de edições no Bairro Padre Cruz (2016) e em Marvila (2017).

O festival inclui pinturas ao vivo, de artistas nacionais e estrangeiros, conferências, cinema, oficinas, música e animação de rua.

No âmbito do festival, nas paredes do Bairro Padre Cruz surgiram obras de artistas como os espanhóis Aryz e Borondo, os portugueses Pariz One, Bordalo II, Mr. Dheo, Uber, Draw, Nomen, Tamara Alves e Mário Belém, o francês Mathieu Trembelin e a dupla holandesa Telmo e Miel.

Em Marvila, ficaram pinturas de artistas como os portugueses Godmess, Hazul e Kruella D'Enfer, o brasileiro Kobra e o espanhol Zesar Bahamonte.

A programação e artistas convidados da 3.ª edição serão divulgados em breve.

A GAU, coordenada pelo Departamento do Património Cultural da CML, foi criada em 2009 como parte de uma estratégia de, por um lado, valorizar uma expressão artística, e, por outro, valorizar um instrumento de gestão de uma dimensão da cidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.