Festivais portugueses Out.Fest e CoolJazz nomeados aos European Festival Awards

Os festivais portugueses Out.Fest, no Barreiro, e Cool Jazz, em Cascais, estão entre os finalistas dos European Festival Awards (Prémios de Festivais da Europa), cujos vencedores serão anunciados na quarta-feira em Groningen, na Holanda.

De acordo com a lista de finalistas, divididos em várias categorias, o Out.Fest -- Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro, que cumpriu em outubro de 2018 a 15.ª edição, está nomeado na categoria Melhor Pequeno Festival, que disputa com outros nove festivais.

O EDP CoolJazz, cujo cartaz de 2018 incluiu, entre outros, David Byrne, Van Morrison e Norah Jones, está nomeado na categoria Prémio Operações Verdes, à qual concorrem, entre outros, o The Green Gathering (Reino Unido), o NorthSide Festival (Dinamarca) e o We Love Green (França).

Os prémios - que dizem respeito ao calendário de festivais de 2018 -- são atribuídos na abertura do festival Eurosonic Noorderslag.

Os European Festival Awards foram criados em 2009 para, segundo a organização, reconhecer "o árduo trabalho, visão e criatividade da indústria dos festivais".

O festival Eurosonic Noorderslag, que decorre até sábado, é, em simultâneo, um festival de música e uma plataforma europeia de divulgação de música, com conferências e encontros entre agentes da indústria musical de todo o mundo, conta este ano com a participação dos artistas e bandas portugueses Fogo Fogo, Whales, O Gajo, Keep Razors Sharp e Scúru Fitchádu e do luso-angolano Diron Animal.

Este ano, o Eurosonic dedicará especial atenção à música da República Checa e da Eslováquia.

Em 2017, Portugal foi o 'country focus' do festival, e isso traduziu-se numa presença alargada de artistas, bandas e agentes da música portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.