Feira de mobiliário e decoração para hotéis em Paris com recorde de empresas portuguesas

A diversificação dos mercados e a obtenção de novos contratos são os principais objetivos das empresas portuguesas que participam no salão de hotelaria e restauração Equiphotel, em Paris, até 15 de novembro.

Este ano, um número recorde de 59 expositores portugueses marcam presença nesta feira internacional virada para o mobiliário e decoração de hotéis e restaurantes.

Durante os cinco dias deste encontro bianual onde há um total de 1600 expositores, passam mais de 105 mil profissionais da hotelaria, maioritariamente franceses, mas também de outras partes do Mundo.

"É o certame mais importante ao nível da hotelaria na Europa, o principal objetivo das empresas que trazemos é angariar novos clientes e novos mercados. Ainda temos uma concentração grande em França, Espanha e Reino Unido, mas esta feira atrai muita gente dos Estados Unidos, do Norte de África e dos Emirados Árabes Unidos", disse à Lusa Gualter Morgado, diretor executivo da APIMA - Associação Portuguesa Das Indústrias De Mobiliário E Afins.

Segundo a associação, a grande diferença em relação à última edição deste salão é que "o consumidor final já pede mobiliário português".

A APIMA, que ajuda à internacionalização das empresas deste setor no quadro do programa Portugal2020, trouxe a Paris 11 empresas com "maturidade no mercado".

Uma delas é a marca de colchões Colunex, presente pela segunda vez no salão: "No Equiphotel, este ano, há uma melhor e mais estruturada presença das empresas e estamos de parabéns como país, seremos o país mais bem representado", afirmou Eugénio Santos, presidente e CEO da Colunex, em declarações à Lusa.

Também a AIMMP - Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal, que também conta com fundos do quadro do programa Portugal2020, traz ao certame 16 empresas com intenções de se internacionalizarem e expandir o seu negócio.

"É a única feira direcionada para a hotelaria e projetos hoteleiros em França, exatamente o que as empresas portuguesas estão à procura", afirmou à Lusa Márcia Melo, técnica de internacionalização de empresas na AIMMP.

Essa é a ambição do ateliê de arquitetura e design de interiores Pilar Paiva de Sousa.

"É uma oportunidade de fazer novos contactos no mercado francês, no qual já trabalhamos. E a França acaba por ser uma porta de entrada para outros países. Por exemplo, acabámos de falar com potenciais clientes vindos Senegal", referiu à Lusa Vera Dantas, relações públicas do atelier Pilar Paiva de Sousa, que em França já conta com a renovação do hotel Mont Royal, em Chantilly, e do hotel Tiara Yaktsa, em Cannes.

A IEP - Instituto Electrotécnico Português, também está presente com três empresas que abrangem o setor elétrico, plásticos para cozinha e têxtil para hotelaria.

Um dos principais pontos de interesse da feira tem ainda assinatura portuguesa, com a criação de um Bar Lounge Restaurante designado "Casa de Luz" com decoração e inspiração portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.