Federação instaura processo a Olhanense e Casa Pia após jogo interrompido

Redação, 18 abr 2019 (Lusa) -- O jogo entre Olhanense e Casa Pia, da 30.ª jornada do Campeonato de Portugal de futebol, interrompido aos 81 minutos no domingo, levou a um processo disciplinar "urgente" aos dois clubes, foi hoje anunciado.

A decisão foi comunicada no mapa de castigos da secção não profissional do Conselho de Disciplina (CD) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), hoje divulgado, ao abrigo do artigo 222.º do Regulamento Disciplinar da FPF, que regulamenta a aplicação de urgência nos processos.

Um processo desta natureza pode ser instaurado caso "esteja em causa a aplicação de sanção que determine a subtração de pontos", sendo que ficam "reduzidos a dois dias úteis" os prazos para apresentação de material de defesa.

O processo ao Olhanense deve-se à invasão de campo por parte dos seus adeptos, enquanto no caso do Casa Pia está em causa a ausência dos minutos finais do encontro, que se deviam ter disputado na segunda-feira.

O jogo tinha sido interrompido com 1-2 no marcador, na sequência do segundo golo do Casa Pia, por suposta tentativa de invasão de campo, sendo que os adeptos locais alegam ter sido provocados por "gestos obscenos" de jogadores adversários.

Em comunicado, o Casa Pia sublinhou que o árbitro deu o jogo por terminado, como consta do seu relatório, pelo que a decisão da federação de mandar retomar a partida "não tem qualquer fundamento jurídico/regulamentar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".