Fazer oposição não é só dizer mal do Governo -- Rui Rio

O presidente do PSD defendeu hoje que a função da oposição não se reduz a "dizer mal do Governo" e lamentou que as diferenças entre os partidos sejam muitas vezes demasiado "empoladas", como se tudo fosse "a preto e branco".

Num almoço/debate do Fórum de Administradores e Gestores de Empresas, em Lisboa, Rui Rio procurou explicar a sua estratégia desde que assumiu a presidência do PSD, em funções plenas desde meados de fevereiro, salientando que uma das suas primeiras tarefas foi "esbater a crispação".

"O primeiro passo que foi dado foi procurar esbater a crispação que tem tendência a existir e existia entre partidos e, com essa crispação entre partidos e entre pessoas, não é possível o diálogo no sentido que entendo que é absolutamente vital para o país", defendeu.

Rui Rio, que foi deputado durante dez anos, considerou que muitas vezes as divergências a que se assiste no parlamento "são empoladas" para se chegar às eleições e dizer aos eleitores que têm de fazer "uma escolha preto no branco".

"Preto e branco há nos extremos, no meio há o cinzento, cinzento mais escuro, cinzento menos escuro", contrapôs.

Dizendo que apenas aceitou ser candidato e, depois, líder do PSD aos "60,9" anos em nome de "um objetivo com o nome Portugal", Rio explicou qual é a sua perspetiva sobre o que é fazer oposição.

"Muita gente, mesmo dentro da política, reduz a oposição a dizer mal do Governo, eu acho que não, reduzir a oposição a isto é muito mau", afirmou.

Para o presidente do PSD, "não há nenhum partido político em Portugal, nem que tenha maioria absoluta, que consegue fazer algumas reformas, algumas só se conseguirão se o espírito de pôr Portugal em primeiro for de mais do que um partido".

É neste quadro que, justifica, já assinou dois acordos com o Governo, um sobre o futuro quadro comunitário e outro sobre a descentralização, dizendo preferir "sacrificar manchetes" com críticas ao executivo em nome de melhores políticas para o país.

"Isto não quer dizer de forma nenhuma que o principal partido de oposição não quer ser oposição, quer dizer que naquilo em que é vital o entendimento, temos obrigação do entendimento, naquilo que é vital a Portugal ser oposição, somos oposição", definiu.

Para Rui Rio, a oposição "deve apontar os erros do governo no sentido de obrigar o Governo a fazer melhor ou, se não fizer melhor, captar a simpatia do eleitorado para tirar este Governo e pôr lá outro".

"A função da oposição de criticar o que está mal é uma função nobre, os deputados recebem um salário para criticar o que no Governo efetivamente está mal, sem insultos e sem rasteiras", afirmou.

No entanto, avisou, em primeiro lugar "as eleições não se ganham, as eleições perdem-se" se quem está no poder não estiver a fazer um bom trabalho e, por outro lado, se a oposição apresentar uma alternativa credível.

Foi por isso, explicou, que criou o Conselho Estratégico Nacional (CEN), um órgão que pretende ser uma forma de militância partidária diferente e que está a trabalhar em documentos temáticos que virão a ser parte do programa eleitoral do PSD, alguns já divulgados como o da natalidade ou da reforma da zona euro.

Rui Rio fez questão de fazer uma ressalva sobre o documento do CEN sobre justiça, praticamente concluído, mas que não quer "apresentado na praça pública" para que os outros partidos não se sintam "a reboque" das propostas do PSD.

A este propósito, Rio salientou que é mais frequente um primeiro-ministro estar disponível para reformas "profundas e complexas" como a da justiça.

"O país ter um líder da oposição disponível para isso, eu acho que é de aproveitar", gracejou.

Rio começou a sua intervenção perante os empresários explicado as alterações que o PSD já introduziu nos seus regulamentos internos, recusando que tal possa ser visto como "uma questão menor".

"Um dos problemas do regime democrático é funcionamento ou o não funcionamento dos partidos políticos, não me podia desculpar a mim próprio se, chegado a este cargo, não fizesse nada para alterar a situação", referiu, acrescentando que "notícias como as dos jornais de há 15 dias" mostram a importância deste processo, numa referência implícita à investigação Operação Tuttifrutti, que envolve o seu próprio partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.