"Fátima" de João Canijo sobre os caminhos da fé estreia-se hoje

O filme de ficção "Fátima", que João Canijo rodou com 11 atrizes portuguesas numa peregrinação ao santuário de Fátima, estreia-se hoje nos cinemas portugueses.

É de Vinhais, no distrito de Bragança, que parte a peregrinação mais longa até Fátima, com mais de 400 quilómetros. É lá que também começa a narrativa ficcional de João Canijo, centrada na convivência entre 11 mulheres a caminho do santuário, a propósito de um 13 de maio.

"Não começou por ser um filme sobre a crença, mas sobre as relações de grupo. E as relações de grupo entre mulheres parecem-me muito mais interessantes do que com homens à mistura", explicou João Canijo em entrevista à agência Lusa.

O pretexto para João Canijo explorar esse tema acabou por ser a peregrinação a Fátima, que as 11 atrizes - e o próprio realizador - experimentaram no processo criativo e que simularam depois na rodagem.

Em "Fátima" entram as atrizes Rita Blanco, Anabela Moreira, Cleia Almeida, Vera Barreto, Teresa Madruga, Ana Bustorff, Teresa Tavares, Alexandra Rosa, Íris Macedo, Sara Norte e Márcia Breia.

Apesar de "Fátima" ter uma base documental, o realizador alerta: "Foi tudo absolutamente estudado. (...) Portanto, confunde-se, como em tudo, a personagem com a 'persona', mas isso é sempre assim. Os atores nunca saem de si próprios, não se transformam em mais ninguém. E essa confusão também me agrada bastante".

No final do ano deverá estrear-se na RTP uma série a partir das filmagens e que, segundo João Canijo, tem mais desenvolvimentos ficcionais de cada uma das personagens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...