Fantasporto exibe hoje "Easy Rider" no arranque da 39.ª edição do festival

O festival internacional de cinema Fantasporto regressa hoje ao Porto para a sua 39.ª edição, que se prolonga até 03 de março sob o tema dos "Desafios da Modernidade".

O festival, que decorre no Teatro Municipal Rivoli, tem hoje a sua pré-abertura, para assinalar os 50 anos de "Easy Rider", sendo o filme de abertura oficial, na sexta-feira, "Prospect", de Zeek Earl e Chris Caldwell, já premiado no SXSW deste ano.

Na quarta e na quinta-feira vão ser exibidos, respetivamente, "The Shining" e "Laranja Mecânica", para assinalar os 90 anos de nascimento do realizador Stanley Kubrick.

A fechar o festival, no dia 02 de março, vai estar "The Russian Bride", Michael S.Ojeda, incluindo-se, a par do filme de abertura, na competição de cinema fantástico com um total de 19 obras, nas quais se encontram os mais recentes trabalhos de Peter Strickland e de Kim Ki-Duk, realizador sul-coreano este ano acusado por várias atrizes de violação, abusos sexuais e comportamentos sexualmente agressivos.

Se na competição de longas-metragens de cinema fantástico não há portugueses presentes, havendo apenas um filme brasileiro em representação lusófona, na de curtas-metragens encontram-se "Bluebird", de Amanda Sant'Anna, Carlos Fernandes, Gonçalo Veloso, João Lage e João Mendes, e "Mysteries of the Wild", de Rui Veiga.

Na semana dos realizadores, o destaque vai para o documentário "The Panama Papers", de Alex Winter, que conta com a realizadora Laura Poitras como produtora executiva, vencedora do Óscar para melhor documentário em 2015 com "Citizenfour", sobre Edward Snowden.

De volta estão também a secção Orient Express e os prémios do cinema português e de melhor escola de cinema.

De acordo com a diretora, Beatriz Pacheco Pereira, esta edição do festival de cinema portuense conta também com um "número recorde de participação portuguesa", levando 57 filmes portugueses a concurso.

"Há uma preocupação de fazer pelo cinema português aquilo que as entidades não fazem, que é incentivar a fazer cinema e projetar os jovens talentos", frisou.

O festival vai receber ainda duas retrospetivas: uma sobre a mudança do rosto do feminino em Taiwan dos anos 1960 e outra sobre a nova geração húngara.

O Fantasporto vai exibir, na sexta-feira, "Alien", de Ridley Scott, para assinalar os 40 anos do filme.

"A lógica do Fantasporto é manter a nossa marca, marca que também passa pela descoberta de novos realizadores. Temos sido o festival que é conhecido pelos filmes que foram exibidos, o que revela que as nossas apostas, ao longo destes quase 40 anos, têm sido as certas", salientou o diretor do festival, Mário Dorminsky, em conferência de imprensa no final de janeiro.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.