Famalicão e Farense empatam a zero em jogo pouco objetivo

Famalicão e Farense empataram hoje 0-0, num jogo da 18.ª jornada da II Liga em futebol marcado pela chuva, que 'pesou' no relvado, e pelas expulsões de Capela e Jorge Ribeiro a cinco minutos do fim.

O Famalicão - candidato à subida e que permanece no segundo posto, mas desperdiçou oportunidade de se distanciar para o terceiro - esteve sempre por cima do desafio, mais ofensivo e a controlar a posse de bola, mas falhou no último terço e 'tremeu' quando o Farense, praticamente só em contra-ataque e raras vezes, se aproximou da sua baliza.

Os primeiros lances de perigo foram aos três e quatro minutos com Pathé Ciss a rematar à figura e Fabinho por cima, mas só aos 23 se sentiu de facto que havia jogo no Municipal de Famalicão. Walterson, no centro da área, rematou contra o corpo de Hugo Marques, depois de uma assistência de Fabinho.

Os algarvios responderam com um contra-ataque rápido de Markovic, que meteu a bola em Irobiso, mas Defendi chegou a tempo (23 minutos).

Na segunda parte, jogo ganhou contornos de maior agressividade, o conjunto minhoto voltou a entrar melhor e foi quem esteve sempre mais perto de marcar, enquanto os algarvios mantiveram a aposta no contra-ataque e, a espaços, também podiam ter marcado.

A cinco minutos do fim, Jorge Ribeiro e Capela viram vermelho por se terem envolvido numa discussão, após um lance em que o banco do Farense protestou a opção dos famalicenses de não 'devolverem' a bola num lançamento lateral.

Jogo disputado no Estádio Municipal de Famalicão.

Famalicão - Farense, 0-0.

Equipas:

- Famalicão: Defendi, Sylla, Ricardo, Ângelo, David Luís, Phaté Ciss, Hocko (Raphael Guzzo, 72), Willian (Anderson, 58), Fabinho (Capela, 72, Walterson e Fabrício.

(Suplentes: Ricardo Fernandes, Eduardo, Jorge Miguel, Capela, Raphael Guzzo, Filipe Oliveira e Anderson).

Treinador: Sérgio Vieira.

- Farense: Hugo Marques, Godinho, Bruno Sapo, Cássio, Jorge Ribeiro, Fabrício, Borges, Markovic (Daniel Bragança, 72), Fábio Nunes, Irobiso e Mayambela (Kadri, 90+2).

(Suplentes: Daniel Fernandes, Kadri, Tavinho, André Vieira, Perisic, Daniel Bragança e Alvarinho).

Treinador: Rui Duarte.

Árbitro: André Narciso (Setúbal).

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Fabinho (28), Markovic (53), Hugo Marques (59) e Kadri (90+5). Cartão vermelho direto para Capela (85) e Jorge Ribeiro (85).

Assistência: 1.473 espetadores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.