Falso alarme provoca movimento de pânico na Disneylândia de Paris

Um ruído resultante de um problema técnico numa escada rolante provocou no sábado um movimento de pânico no parque temático Disneylândia de Paris de que resultaram alguns feridos ligeiros, segundo testemunhos confirmados por uma autarca local.

O barulho, que terá soado a uma detonação, provocou o pânico entre os visitantes da Disneylândia de Paris, que começaram a partilhar nas redes sociais vídeos e rumores de um possível atentado, mas segundo declarações da autarca de Seine-et-Marne, Laura Reynaud, ao jornal Le Parisien, tudo não passou de "uma escada com uma avaria".

O ministério do Interior francês desmentiu também os rumores através da sua conta no Twitter: "Falso alarme. As forças de segurança confirmam que não existe nenhuma ameaça".

De acordo com o protocolo de segurança, o parque, situado a trinta quilómetros a leste de Paris, confinou os visitantes durante o tempo necessário para esclarecer as dúvidas, adiantou uma fonte ligada à investigação à agência noticiosa francesa AFP.

Alexia, que estava no local acompanhada da irmã e os seus dois filhos de 10 e 16 anos, descreveu à AFP "um enorme movimento de pânico. Ninguém percebia o que se estava a passar. Isto durou cinco minutos, talvez menos. Mas foram os mais longos da minha vida", disse.

Segundo a testemunha, "todos pensavam que era um atentado" e "havia polícia por todo o lado".

O complexo da Disneylândia de Paris, principal destino turístico privado da Europa, acolheu mais de 320 milhões de visitantes desde a sua abertura em 1992.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.