Extinção da Companha teve impacto nulo na conserveira açoriana Santa Catarina

O presidente do conselho de administração da conserveira açoriana Santa Catarina, sediada na ilha de São Jorge, garantiu na quarta-feira que o impacto da extinção da Companha, que tinha sido fundida com a empresa em 2013, foi nulo.

Rogério Veiros garantiu que a extinção da Companha, empresa que geria uma frota de três embarcações e que tinha sido alvo de um processo de fusão com a conserveira Santa Catarina em 2013, não teve impacto nas contas da empresa-mãe, já que "todos os encargos que a Companha teve ao longo destes anos foram sendo assumidos ano após ano pela Santa Catarina".

O responsável da conserveira falava aos jornalistas após ser ouvido na reunião da comissão eventual de inquérito ao setor público empresarial regional, na delegação de Ponta Delgada do parlamento açoriano, tendo garantido que a alienação das três embarcações da Companha "cobriu completamente o passivo bancário que existia", sendo que o passivo da empresa rondava os 900 mil euros.

O presidente do conselho de administração, que assumiu o cargo em 2015, considerou que a fusão "foi uma boa medida, tanto de gestão, como da parte da região".

"Como responsável atual pela Santa Catarina e pessoa ligada ao setor, entendo que uma indústria conserveira, sempre que pode e que as questões de mercado lhe permitam e a estrutura lhe permita, deve estar também ligada às pescas, mas isso é uma opinião pessoal", referiu.

Porém, não critica a decisão da anterior administração, porque foi tomada "com base na situação que vivia naquele momento".

"Por vezes, temos de tomar decisões em função das contingências, não em função daquilo que são as nossas ideias para o setor", salientou.

Ainda sobre a extinção da Companha, que ajudou a fundar, Rogério Veiros sustentou que "a empresa estava sem atividade".

"A Companha era uma empresa que existia para gerir a exploração dos barcos e, se já não tinha a propriedade dos barcos, a conclusão era que tinha de ser extinta", declarou, sublinhando que "não havia funcionários, não havia dívidas a fornecedores, não havia nada que prejudicasse alguém".

A conserveira Santa Catarina, empresa pública, está agora em processo de privatização, que prevê a alienação de 80% do seu capital.

A fábrica tem 140 trabalhadores, sendo a maior empregadora de São Jorge, e registou no ano passado um passivo superior a 14 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.