Explosão no Cairo causa pelo menos 12 feridos

A forte explosão que ocorreu na noite de quinta-feira num reservatório de produtos químicos perto do aeroporto do Cairo, no Egito, causou pelo menos 12 feridos, afirmou Tamer al-Rifai, porta-voz do exército.

A explosão foi violenta e ouvida pelos residentes que vivem num bairro próximo do aeroporto, situado a norte da capital egípcia, ainda segundo esta fonte.

Segundo fontes citadas pela agência France Press, os 12 feridos foram "transportados para o hospital", não sendo revelada a gravidade dos ferimentos.

Tamer al-Rifai explicou, na sua conta da rede social Twitter, que foi "o aumento do calor" que causou a explosão.

A explosão ocorreu num reservatório de uma empresa especializada em "indústrias químicas", a Heliopolis for Chemical Industries, localizada numa área controlada pelo exército.

Na zona foi criado um perímetro de segurança com forte presença policial. Vários veículos de emergência e dos bombeiros foram enviados para o local para extinguir as chamas e prestar auxílio aos feridos.

O ministro da Aviação Civil, Yunes al-Masri, já negou que a explosão tenha ocorrido dentro do perímetro do aeroporto e garantiu que o movimento aéreo "continua de maneira natural e organizada".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...