Explosão no Cairo causa pelo menos 12 feridos

A forte explosão que ocorreu na noite de quinta-feira num reservatório de produtos químicos perto do aeroporto do Cairo, no Egito, causou pelo menos 12 feridos, afirmou Tamer al-Rifai, porta-voz do exército.

A explosão foi violenta e ouvida pelos residentes que vivem num bairro próximo do aeroporto, situado a norte da capital egípcia, ainda segundo esta fonte.

Segundo fontes citadas pela agência France Press, os 12 feridos foram "transportados para o hospital", não sendo revelada a gravidade dos ferimentos.

Tamer al-Rifai explicou, na sua conta da rede social Twitter, que foi "o aumento do calor" que causou a explosão.

A explosão ocorreu num reservatório de uma empresa especializada em "indústrias químicas", a Heliopolis for Chemical Industries, localizada numa área controlada pelo exército.

Na zona foi criado um perímetro de segurança com forte presença policial. Vários veículos de emergência e dos bombeiros foram enviados para o local para extinguir as chamas e prestar auxílio aos feridos.

O ministro da Aviação Civil, Yunes al-Masri, já negou que a explosão tenha ocorrido dentro do perímetro do aeroporto e garantiu que o movimento aéreo "continua de maneira natural e organizada".

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.