Exploração de calcário em Angola "aquém" das necessidades do setor agrícola -- Governo

O número de empresas que explora calcário em Angola "está ainda muito aquém" das necessidades que o setor da agricultura apresenta, disse hoje o ministro da Agricultura e Florestas angolano, que defendeu, porém, uma exploração "racional e sustentável".

Marcos Nhunga, que falava no encerramento do 'workshop' sobre "Uso de calcário dolomítico para a recuperação e estabilização dos solos em Angola", considerou que a exploração racional das rochas deve contribuir para o aumento da produção.

"O desafio consiste numa melhor estruturação do processo de licenciamento das empresas com capacidade financeira, técnica e tecnológica, para que o produto, calcário dolomítico, esteja disponível para o uso na agricultura", afirmou.

O calcário dolomítico permite a recuperação e estabilização de solos ácidos ou muito ácidos nas explorações agrícolas, garantindo também a manutenção da sua qualidade nas áreas de cultura, sublinhou.

Em Angola, existem importantes reservas de rochas calcárias em vastas regiões do território.

"O país precisa de elevar o número dessas explorações, para que se contribua na redução dos preços ainda em discussão. Achamos que, quanto maior for a oferta, o preço e a qualidade também terão as suas influências" comentou.

Como recomendações, sobretudo "às instituições competentes", o governante considerou que o país "necessita de munir-se de capacidade técnica e laboratorial", para conferir a obrigatoriedade da análise física e química do calcário, bem como a necessidade da determinação da qualidade dos solos.

Para o ministro dos Recursos Mineiras e Petróleos angolano, Diamantino Pedro Azevedo, "grande parte da vasta extensão de terras areáveis do país possui solos ácidos e pobres de nutrientes", pelo que carece do uso de corretivos para a sua recuperação.

"Assim, neste processo, o calcário dolomítico surge como uma alternativa endógena, sustentável e pouco onerosa. O calcário constitui uma importante matéria-prima com numerosas aplicações", realçou Diamantino Pedro Azevedo.

O subsetor dos Recursos Minerais tem de "contribuir de forma a minimizar a importação desses insumos", defendeu.

"Parte das receitas utilizadas para a importação de adubos e fertilizantes poderá ser canalizada para acudir outras áreas, garantindo o bem-estar das populações", concluiu.

O 'workshop' foi promovido pelos ministérios da Agricultura e Florestas e dos Recursos Mineiras e Petróleos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.