Exames/Secundário: Sete em dez escolas passam a Biologia e Geologia

Quase sete em dez escolas do secundário alcançaram média positiva no exame nacional de Biologia e Geologia em 2018, com a melhor média, 17 valores, registada no Colégio Mira Rio, em Lisboa, segundo dados do Ministério da Educação.

Com quase 26 mil exames realizados em 620 escolas, a prova de Biologia e Geologia, uma das mais importantes para quem segue cursos superiores na área da Saúde, teve um registo médio de 10,93 valores, com 431 escolas (69,52%) a obterem média positiva.

De acordo com uma análise da Lusa aos dados dos resultados dos exames nacionais em 2018 divulgados pelo Ministério da Educação, a lista é liderada por estabelecimentos privados e a melhor pública aparece em 7.º lugar: a Escola Básica e Secundária Pedro Álvares Cabral, em Belmonte, Castelo Branco, com uma média em exame de 15,47 valores, no entanto, dois valores abaixo da classificação interna final (CIF) dos seus alunos.

Em quarto lugar no 'ranking' surge um colégio privado no estrangeiro, o Colégio de São Francisco Assis, em Luanda, que, com cinco exames realizados, obteve uma média de 15,68 valores, praticamente a mesma nota que a CIF média.

Entre as vinte melhores nesta disciplina há apenas mais uma escola pública, a escola Básica e Secundária Clara de Resende, no Porto, que surge na 18.ª posição com 53 provas realizadas e uma média de 14,21 valores.

A média mais baixa fixou-se nos 5,38 valores.

Porto, Coimbra e Viseu foram os distritos com as médias mais altas nesta disciplina e apenas as escolas da Região Autónoma da Madeira e escolas portuguesas no estrangeiro registaram médias negativas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?