Ex-padre acusado de abusos sexuais em Timor-Leste detido para interrogatório

Díli, 26 abr 2019 (Lusa) - Um ex-padre norte-americano acusado de abuso sexual de várias crianças no enclave timorense de Oecusse foi hoje detido para interrogatório por efetivos da Polícia Nacional de Timor-Leste, disseram à Lusa fontes judiciais.

O ex-padre Richard Daschbach foi detido e levado para o posto policial no enclave de Oecusse com uma manifestação de apoio de várias pessoas a manter-se no exterior do edifício durante o interrogatório.

A fonte judicial disse à Lusa que os manifestantes gritaram o seu apoio ao ex-padre, deixando igualmente ameaças contra as vítimas que formalizaram queixa junto das autoridades.

A mesma fonte precisou que a investigação ainda está a decorrer e que o ex-padre está proibido de sair do país.

Um dos advogados envolvidos no processo explicou que o norte-americano deverá deixar o enclave este fim de semana, tendo como destino a cidade de Maliana, numa outra zona de Timor-Leste, desconhecendo-se se a mudança de local foi ordenada pelas autoridades.

"Foi deixado em liberdade", disse a fonte.

Vítimas dos abusos referiram já terem sido alvo de ameaças por denunciarem os abusos de Richard Daschbach, alegadamente cometidos durante vários anos a dezenas de crianças.

Daschbach, 82 anos, natural de Pittsburg, nos Estados Unidos, vive em Timor-Leste desde 1966 e, em 1992, estabeleceu duas casas de abrigo de crianças, a TopuHonis, em dois espaços no enclave de Oecusse.

O caso chegou a conhecimento de responsáveis timorenses há quase um ano, mas só foi tornado público, pelo jornal Tempo Timor, em fevereiro.

Apesar de Daschbach ter admitido perante várias pessoas a autoria dos crimes, continuava a viver na pequena localidade do enclave de Oecusse, onde é acusado de ter cometido os abusos, aspeto que tinha suscitado várias críticas em Timor-Leste.

O antigo Presidente e prémio Nobel da Paz, José Ramos-Horta, e o atual chefe de Estado, Francisco Guterres Lu-Olo, foram algumas das personalidades que manifestaram preocupação com o caso.

Citado pelo jornal Tempo Timor, Ramos-Horta considerou "errado" que o ex-sacerdote tenha regressado, acrescentando que ficou "atordoado" quando soube que "tinha tido autorização para voltar" a Oecusse.

Na quinta-feira, uma organização timorense divulgou um depoimento de uma jovem que diz ter sido uma de várias crianças vítimas de abuso sexual do ex-padre norte-americano.

O depoimento, divulgado pela organização Fokupers -- que, entre outras atividades, apoia vítimas de abuso sexual - confirma a existência de várias vítimas de Richard Daschbach, que foi afastado do sacerdócio pelo Vaticano.

"Eu não sabia nada. E não perguntei nada. Fui com as outras. Naquela vez estávamos três meninas no quarto. E foi quando as coisas más aconteceram. E fiquei surpreendida que as meninas ficavam caladas. O pai nem precisava de nos ameaçar. Ficávamos caladas. Ninguém falava de nada", contou a jovem no depoimento divulgado hoje pela organização.

A jovem explica que o então padre - a quem chama 'pai' - nunca dizia por palavras o que queria, mas sim por gestos, incluindo masturbação, sexo oral e toques, agarrando as meninas para mostrar o que queria que fizessem.

O depoimento confirma que os casos de abusos eram conhecidos na comunidade onde, apesar disso, o padre "era muito respeitado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.