Ex-autarcas não se lembram de acordo com Misericórdia para arrendar monumental de Santarém

O ex-presidente da Câmara de Santarém Francisco Moita Flores reafirmou hoje em tribunal que não se recorda de ter celebrado um acordo formal com a Misericórdia para arrendamento da praça de touros em junho e setembro de 2007.

Numa acareação decretada pelo tribunal devido a contradições nos depoimentos prestados em audiências anteriores por Moita Flores, pelo ex-vereador Ramiro Matos e pelo, à altura, secretário da Santa Casa da Misericórdia de Santarém (SCMS), Correia Bernardo, todos mantiveram o teor das suas declarações na audiência final do julgamento em que a SCMS reclama o pagamento pelo município de cerca de 50.000 euros.

Confrontado com o documento, Moita Flores reconheceu a sua assinatura, mas reafirmou não se recordar nem da formalização do acordo nem das negociações que o precederam, nomeadamente quanto aos valores envolvidos, frisando que "passaram quase 12 anos".

O ex-autarca referiu que a utilização da praça de touros (propriedade da SCMS) decorreu no âmbito da colaboração entre as duas entidades e, no caso em concreto, da necessidade de "reagir" à iniciativa do Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA) de realização de corridas numa praça desmontável durante a Feira Nacional da Agricultura, retirando os espetáculos da monumental Celestino Graça.

Para Moita Flores, só por "má fé" a situação "não foi ainda resolvida" pelo atual executivo camarário.

O ex-vereador Ramiro Matos disse igualmente não se recordar de ter participado em qualquer reunião e negou ser o autor do texto do acordo, tendo Correia Bernardo mantido a declaração de que o ex-vereador esteve presente na reunião em que Moita Flores o incumbiu de tratar da redação do acordo, uma vez que tutelava o departamento jurídico do município.

Nas alegações finais, a mandatária da SCMS afirmou ter sido "constrangedor" a instituição ver-se obrigada a trazer para a praça pública um processo que tentou, até ao último momento, resolver "intramuros".

Maria João Alves afirmou que, neste processo, tanto a SCMS como o município "primaram pela ausência de formalismo", mas que os documentos que surgiram já na fase de julgamento vieram a provar a existência da dívida, a qual, frisou, nunca foi negada.

"A Câmara Municipal nunca disse que não pagava, que aquele dinheiro não era devido. Só não encontravam as coisas", disse, considerando que o documento, entretanto junto aos autos, que contém o pedido de cabimentação da despesa, é a "chave" para a decisão.

Nas suas alegações finais, o mandatário do município pediu que seja um tribunal administrativo a julgar o processo que decorre na Unidade Central Cível da Comarca de Santarém, por entender que a matéria em análise é dessa competência.

Bruno Antunes considerou ainda não haver motivos para condenação do município por litigância de má fé, como pede a SCMS, alegando que foram feitas, sem sucesso, todas as diligências para encontrar documentos que sustentem os valores reclamados.

Segundo o advogado, nessas diligências foram encontrados outros documentos que comprovam a aquisição de bilhetes, tendo o município pagado 32.500 euros só para as corridas de junho de 2007, não fazendo, no seu entender, sentido que tenha que pagar igualmente o arrendamento da praça.

No processo, que corre no Juízo Central Cível do Tribunal Judicial da Comarca de Santarém, a SCMS reclama o pagamento de quatro faturas no valor de 35.767 euros, mais 14.411 euros de juros e 100 euros de despesas, num total de 50.278 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.