Évora defende traçado mais afastado da cidade para linha ferroviária Sines/Caia

A Câmara de Évora defendeu hoje que seja reconsiderado o traçado mais afastado da cidade para a linha ferroviária Sines/Caia, abandonado pela Infraestruturas de Portugal (IP), mas admitiu outras duas soluções, apesar dos impactos negativos.

"O traçado que se aproximava do IP2 e que, entretanto, foi abandonado parece-nos ser uma alternativa que deveria ser estudada, porque poderia minimizar alguns dos impactos que detetámos no território", afirmou hoje à agência Lusa o presidente da Câmara de Évora, Carlos Pinto de Sá (CDU).

Esta é uma das conclusões de um parecer do município sobre o troço Évora/Évora Norte, integrado na futura ferrovia de mercadorias Sines/Caia, no âmbito da discussão pública para avaliação do impacte ambiental dos traçados, que foi aprovado na mais recente reunião pública de câmara, com os votos favoráveis dos eleitos da CDU e do PSD e a abstenção dos vereadores do PS.

O traçado inicialmente proposto pela empresa pública para a nova linha ferroviária de transporte de mercadorias entre Sines e Caia (Elvas) foi contestado pelo município, partidos, movimentos e população de Évora por passar numa zona urbana, na freguesia da Senhora da Saúde, tendo a IP apresentado várias alternativas.

Hoje, em declarações à Lusa, o autarca de Évora congratulou-se por ter sido abandonada "a primeira versão do traçado em que o comboio atravessava a cidade", mas salientou que uma das alternativas da IP também é rejeitada pelo parecer municipal por, "ainda assim, atravessar a cidade", numa zona "ligeiramente mais para leste".

Pinto de Sá disse que o parecer admite uma das outras duas alternativas, advertindo que estas, apesar de ultrapassarem "os principais problemas relacionados com o atravessamento da cidade", têm "impactos negativos significativos ao nível das questões sociais do território e ambientais".

"Daí que tivéssemos incluído o corredor que se aproximava do Itinerário Principal 2 (IP2) e que, entretanto, foi abandonado" pela IP, realçou, indicando que este "é o que parece ter menos impactos negativos".

O parecer, segundo o presidente do município, defende também a criação de um cais de mercadorias e zona logística junto à cidade para servir a região e sugere um estudo sobre a possibilidade de uma variante que permita afastar os comboios que não param em Évora e que transportem mercadorias perigosas.

"Qualquer uma das soluções que venha ser escolhida precisa de ter, depois, um estudo aprofundado no sentido de se poder minimizar os impactos no território e ter medidas de mitigação que apoiem a inserção da linha no território", acrescentou.

De acordo com o autarca alentejano, o período de discussão pública para avaliação do impacte ambiental dos traçados propostos terminou na segunda-feira.

De acordo com a IP, a nova linha ferroviária entre Évora e a fronteira do Caia (Elvas), distrito de Portalegre, que integra o Corredor Internacional Sul, terá uma extensão total de cerca de 100 quilómetros, 80 dos quais de construção nova, em via única eletrificada sobre plataforma para via dupla e preparada para receber a bitola europeia.

O projeto é apoiado por fundos comunitários através do programa Mecanismo Conectar Europa, ao abrigo de contratos de cofinanciamento com comparticipações que variam entre 40 e 50%.

A nova ferrovia entre Évora e a fronteira de Caia custará, ao todo, nos próximos anos, mais de 500 milhões de euros.

A obra de construção da nova linha deverá começar até março de 2019 e a conclusão está programada para o primeiro trimestre de 2022, num custo de 509 milhões de euros (quase metade provenientes de fundos europeus), segundo o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

O Plano Ferrovia 2020, que promove as ligações com Espanha e a modernização dos principais eixos ferroviários, engloba, no total, um investimento superior a dois mil milhões de euros, dando especial destaque ao transporte de mercadorias e ao transporte público de passageiros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.