Europeias: Lei da paridade ainda está em dúvida para as eleições

A aplicação da lei da paridade, em debate no parlamento, nas eleições europeias de maio ainda está em dúvida, afirmou à Lusa a presidente da subcomissão para a Igualdade e Não Discriminação da Assembleia da República.

A subcomissão tem agendada para terça-feira à tarde uma reunião para discussão e votação indiciária da proposta de lei do Governo que altera a lei da paridade nos órgãos do poder político, para reforçar a presença das mulheres nas listas eleitorais, mas Elza Pais admitiu que é ainda imprevisível quer o desfecho quer o 'timing' em se concluirá o processo legislativo.

A ordenação da lista, com homens e mulheres intercalados, é uma das questões que fica em aberto até se perceber se a lei é ou não aprovada e se entra em vigor.

Além do debate na subcomissão, ainda falta a votação final global, "se vier a existir acordo entre os partidos e com que amplitude", e promulgação do diploma pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

E ainda não está claro, admitiu, o prazo em que é necessário concluir o processo no parlamento para se aplicar às europeias, questão que está em análise na comissão.

Na reunião de terça-feira está igualmente previsto o debate e votação na especialidade do diploma do Governo que estabelece o regime da representação equilibrada entre homens e mulheres no pessoal dirigente e nos órgãos da Administração Pública.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.