Europeias: 1,7 milhões de eleitores recorreram ao serviço de SMS para saber local de voto

Cerca de 1,7 milhões de eleitores já recorreram ao serviço de SMS gratuito 3838 para confirmarem o seu local de voto nas eleições para o Parlamento Europeu de domingo, revelou hoje à Lusa o Ministério da Administração Interna (MAI).

Numa nota, o MAI lembra que "com a eliminação do número de eleitor, os cadernos eleitorais estão agora organizados por ordem alfabética e basta a apresentação, no momento da votação, do documento de identificação civil (cartão de cidadão (CC), bilhete de identidade (BI) ou outro documento oficial de identificação civil)".

O ministério de Eduardo Cabrita observa que "em todos os atos eleitorais ocorrem alterações aos cadernos eleitorais, seja por força de alteração de residência, por reagrupamento de eleitores e, agora, pela sua organização por ordem alfabética".

"Esta alteração não implica, em regra, a alteração do local de voto, mas ela ocorrerá em alguns postos de recenseamento", adianta.

Por isso, o Ministério da Administração Interna recomenda aos eleitores que confirmem o seu local de voto através dos vários meios à sua disposição.

Além do SMS para 3838 (serviço gratuito), com mensagem "RE (espaço) número CC ou BI (espaço) data de nascimento (AAAAMMDD) -- ano mês dia, tudo junto", o MAI acrescenta que os eleitores podem ainda recorrer ao portal do recenseamento, em www.recenseamento.mai.gov.pt, à aplicação MAI Mobile (na área "Saiba onde irá votar") ou à junta de freguesia.

Cerca de 10,7 milhões de eleitores podem votar nas eleições para o Parlamento Europeu, de acordo com os últimos dados do recenseamento eleitoral.

Os eleitores com capacidade eleitoral ativa são no total 10.761.156, quando nas anteriores eleições para o Parlamento Europeu, em maio de 2014, eram 9.696.481.

São 17 os partidos e coligações concorrentes às eleições para o Parlamento Europeu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.